24 de abril de 2016

A PRIMEIRA VINDA DE JESUS, PORQUE ISRAEL NÃO CREU?

A PRIMEIRA VINDA DE JESUS, PORQUE ISRAEL NÃO CREU?
Eu gostava muito quando alguém falava sobre a vinda de Jesus e sobre a participação de Israel nos acontecimentos finais. Paulo afirma que a igreja se  tornaria parte da oliveira de Israel, pois mesmo sendo “oliveira brava... participaria da seiva que vem da raiz da oliveira verdadeira” (Romanos 11:17). Certamente, não podemos substituir para quem essas bênçãos foram originalmente destinadas. Nós, cristãos gentios, fazemos parte da família de Abraão, e somos chamado “concidadãos dos santos e membros da família de Deus” (Efésios 2:19). 



O Messias judeu Se tornou o nosso Messias, visto que também fomos redimidos pelo Seu sangue. Aqueles que buscavam o Messias não O reconheciam; infelizmente, pois eles estavam mais preocupados com as noções preconcebidas de sua velha religião do que com o Messias, ou de como Ele seria. Essas pessoas O viram, mas os seus olhos estavam fechados para a verdade. Miquéias profetizou que Belém seria o lugar de Seu nascimento (Miquéias 5:2). Zebulom e Naftali na Galileia foram apontados por Isaías como lugares que “veriam uma grande luz” (Isa- ías 9:1,2). Zacarias sabia o preço pelo qual Jesus seria traído (Zacarias 11:12,13). O prognóstico de Isaías era que Jesus seria um servo sofredor (Isaías 53). Zacarias até escreveu que um jumentinho o levaria para dentro dos muros de Jerusalém (Zacarias 9.9). Estas previsões são muito óbvias nos dias de hoje, mas a comunidade religiosa daquele dia perdeu completamente a visão das profecias. Jesus disse aos líderes religiosos de Seu dia: “Vocês estudam cuidadosamente as Escrituras, porque pensam que nelas vocês têm a vida eterna. E são as Escrituras que testemunham a meu respeito” (João 5:39). 
Jesus aqui fala que eles teriam reconhecido o Messias se tivessem crido em suas próprias Escrituras. Estes eram rabinos que obviamente não liam para aprender, mas para provar que tinham muito conhecimento! A revelação verdadeira vem  do Espírito, por isso devemos buscar experiências profundas com Deus, pois só o conhecimento não é suficiente. Precisamos orar para que os nossos olhos e os nossos corações sejam abertos. Devemos desejar discernimento e revelação. Deus fala para a mente e revela também ao nosso espírito. É importante ressaltar que Suas revelações sempre vêm no tempo certo. Temos de estar dispostos, mas Ele é Aquele que revela. Podemos estar sempre lendo as Escrituras, mas a verdade é que detalhes podem se passar despercebidos aos nossos corações ou aos nossos olhos espirituais se não estiverem abertos.
Cleopas e seu amigo tiveram um problema na estrada de Emaús, na manhã da Ressurreição. Eles olharam perante a face de Jesus, mas não O reconheceram (Lucas 24:16). Só quando o véu foi retirado de seus olhos, que eles entenderam com quem eles estavam falando. Precisamos retirar os nossos véus que nos impedem de ver a verdade! Lídia teve uma experiência parecida num encontro de oração perto de um ribeiro fora de Filipos. Assim que Paulo começou a falar, “o Senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia” (Atos 16:14). Sem este tipo de ação do Espírito Santo, não temos a chance de receber nada do Senhor. Você sabe a razão que levou o apóstolo Paulo em Efésios a clamar “para que os olhos do coração de vocês sejam iluminados” (Efésios 1:18) e que “o glorioso Pai, lhes dê espírito de sabedoria e de revelação, no pleno conhecimento dele” (v.17)?


Deus usa a linguagem do Espírito. Ele fala aos nossos espíritos através de Seu Espírito. Quando recebemos alguma revelação, vamos a um nível mais profundo do que a mente. O Espírito de Deus impacta todo o conjunto — mente, coração, intenções, e paixões. É por isso que Paulo disse aos romanos que a salvação vem por crer que Deus havia ressuscitado Jesus (Rm 10:9), pois “com o coração se crê para a justiça”. Lucas 21.
equipe elescreram