20 de junho de 2016

Madame Guyon - A mulher que conheceu os mistérios do Espírito Santo

As revelações  de uma mulher que aprendeu a caminhar com Deus 


  Na historia da Igreja poucas pessoas têm atingido o alto grau de espiritualidade alcançado por Mme Guyon. Em sua autobiografia ela revela o seu íntimo, as suas lutas interiores para obter a purificação de sua alma e a sua sensibilidade em relação à presença de Deus em sua vida. 
Nascida em uma época corrupta, em uma nação marcada por sua degeneração, criada em uma igreja devassa assim como o mundo em que estava inserida, perseguida em cada passo do seu caminhar, tateando como fez em ignorância e desolação espiritual, ela subiu, todavia, ao pináculo mais alto de preeminência em espiritualidade e devoção cristã. Tendo vivido e morrido na Igreja Católica, ainda assim foi atormentada e afligida, maltratada e abusada, até mesmo pela própria igreja e foi aprisionada por anos pelas mais altas autoridades  por discordar de alguns credos e práticas católicas. O seu único crime foi o de amar a Deus. A sua culpa foi a sua suprema devoção e afeição a Cristo. Quando pediram seu dinheiro e propriedade, alegremente os entregou.  
Jeanne Marie Bouvier de La Motte, nasceu em 13/04/1648 em Montargis, França. Seu pai,  era extremamente piedoso, sua mãe , entretanto a rejeitou.  

Aos quatro anos, por permissão concedida por seu pai, foi viver no Convento das Beneditinas, levada pela Duquesa de Montbason, a qual gostou muito da menina devido à sua maneira alegre, doce e esportiva de ser. Como toda criança, ela fazia muitas artes, mas já era desde esta tenra idade atraída pelas coisas de Deus. Gostava de ouvir falar Dele, de estar na Igreja e de ser vestida com vestes religiosas. 
Depois deste período voltou para casa, e novamente foi negligenciada por sua mãe e entregue aos cuidados dos empregados.  
Aos sete anos voltou para o Convento das Ursulinas, onde encontrou duas meia-irmãs. Sua irmã por parte de pai foi de muita ajuda para sua vida espiritual. Ela veio a ser quem proveu os primeiros meios de salvação na vida de Mme Guyon. Era muito gentil e amava muito a menina, sabendo despertar nela as boas qualidades que ela tinha e instruí-la na piedade. 

Por solicitação de seu pai, ela sempre o visitava em casa e em uma destas visitas encontrou a rainha da Inglaterra, a qual ficou tão impressionada com suas atitudes e respostas que pediu a seu pai consentimento para levá-la para a corte, sob seus cuidados, para ser dama de companhia da princesa. Seu pai não permitiu, o que ela atribuiu à providência de Deus para que não fosse influenciada pelas tentações e divertimentos da corte. Com o passar do tempo, porém, adquiriu muitos maus hábitos como mentira, impertinência e falta de devoção, passando às vezes dias inteiros sem pensar em Deus. Mas ela conta que apesar disto, Deus sempre a observava e vigiava, providenciando para que voltasse aos cuidados de sua irmã, deixando assim os péssimos hábitos. Deus sempre lhe mostrou Sua graça, mesmo nas suas infidelidades.  
Tinha tremendo prazer em ouvir falar de Deus, não se cansava da Igreja, gostava de orar e tinha afeto pelos pobres.  É impressionante como Mme Guyon, ainda uma criança de sete anos, tinha certas atitudes de auto-sacrifício. É bom salientar aqui que mesmo muitas vezes sendo castigada, tanto em sua infância como também depois em sua fase já adulta, ela declarou em seu livro que não se lembrava de temer qualquer castigo mais do que temia causar dor Àquele a quem amava, a ponto de declarar que mesmo que não existisse “céu ou inferno” ela sempre iria reter o mesmo temor de desagradar a Deus.  

Aos dez anos foi transferida do Convento das Ursulinas para outro da ordem de St. Dominie. Aliás, apesar da Madre gostar muito dela, não tinha muito tempo para a menina e ela com isto não teve quase nenhum cuidado, caiu muito doente e passava muito tempo sozinha. Achando uma Bíblia, passava dias e dias lendo-a de manhã até à noite, sendo esta a sua distração.  
Após oito meses retornou para casa, onde conseguiu obter um cuidado um pouco melhor de sua mãe. Mesmo assim, era maltratada e sofria muitas injúrias por parte de seu irmão, o qual estava sempre certo e com razão. Sua mãe, e por conseqüência também os criados, fazia uma distinção muito grande entre ela e seu irmão, o qual também aprendeu com isto a desprezá-la. Esta animosidade dele para com ela nunca se desfez e isto trouxe muitos problemas mais tarde no relacionamento entre ambos. Ela sofreu neste tempo muitas doenças, perseguições e incompreensões dentro da própria casa, vindas muitas vezes de sua própria mãe. Este comportamento da família em relação a ela foi a causa de muitas de suas atitudes erradas, pois não tinha estímulo nenhum de fazer o certo. Ela nunca tinha razão de coisa alguma. Mas apesar destas faltas, era muito amável e caridosa com os pobres, orava a Deus assiduamente, amava ouvir falar sobre Ele e ler bons livros. Apesar de todas as suas faltas o Senhor sempre a cercou e a conquistou.  

Como cresceu e se tornou uma jovem muito bonita, sua mãe a aceitou melhor, tendo um certo orgulho desta beleza que Deus tinha presenteado a sua filha (para louvor Dele). Entretanto, esta beleza trouxe a Mme Guyon uma espécie de orgulho e vaidade. Tinha apenas doze anos e já recebia muitas propostas de casamento, as quais seu pai recusava. Mme Guyon começou a despertar-se tremendamente para sua salvação, o que a levou a procurar seu confessor, preocupada com isto. Tinha lutas constantes: ora cheia de ardor pelo Senhor, ora tão longe Dele. Mas ela declarou que “o Deus de amor sempre batia à porta do seu coração¨.  
Nessa época ela seguia os exercícios religiosos, lia e orava o dia todo, dava tudo o que tinha aos pobres, ensinava-lhes o catecismo e os servia com alimentos. Lia também muitas obras de escritores religiosos, entre eles os escritos de Mme Chantal, a qual a influenciou de tal maneira que Mme Guyon procurava imitá-la em tudo


Mme Guyon tinha altos e baixos. Apesar de manter as aparências, interiormente começou a se afastar de Deus e dar lugar à vaidade. Vaidade esta tanto em relação à sua aparência como também à sua reputação. A alta estima que tinha por si mesma a fazia achar erros em todas as outras pessoas. Nesta fase começou a ler outros livros ao invés de literatura santa, gastando horas em alimentar sua vaidade própria. Mas como dizia, “Deus sempre batia à porta do seu coração”, o que muitas vezes a levava às lágrimas. Ela conta em sua autobiografia que esta triste experiência lhe deu muita compaixão pelos pecadores, ensinando-a a razão de tão poucos emergirem deste estado miserável no qual são tão suscetíveis de entrarem. Ela declarou que na luta que as pessoas têm contra a apatia espiritual, da qual é difícil sair, o único remédio é a oração. Sobre isto afirmou: “o diabo se opõe tremendamente tentando convencer as pessoas de que primeiro elas precisam ser perfeitamente convertidas¨. 
Aliás, ela faz uma ressalva aqui! O diabo usa todas as suas forças contra a oração e contra aqueles que a praticam, porque ele sabe que este é o verdadeiro meio de tomar uma presa das mãos dele. Ele não se importa muito com os serviços que fazemos e nem com a nossa inteireza de caráter na qual procuramos andar, mas tão logo entramos na vida espiritual, uma vida de oração, temos que estar preparados para todo tipo de cruz que virá. Todo tipo de desprezo e perseguição que neste mundo está reservado para esta vida.  

Ao falar sobre os sentimentos de luta interior que tinha nesta época, declarou em seu livro: “Quão estranho isto pode parecer às pessoas, quão difícil de reconciliar coisas tão opostas.”  
Aos quinze anos Mme Guyon se casou com Jacques Guyon, Lord du Chesnoy, em um casamento arranjado por seu pai. Deste casamento teve cinco filhos. A princípio ela ficou satisfeita, pois via neste casamento uma oportunidade de livrar-se dos maus tratos de sua mãe. Mas Deus tinha um propósito totalmente oposto. A condição na qual se encontrou mais tarde frustrou suas esperanças. 
  

Com seu casamento, viu-se obrigada a mudar sua conduta, perder toda sua maneira nobre e elegante de viver, seus tratos finos, enfim, tudo o que havia adquirido com tanta dedicação em sua educação. O modo de vida da família de seu marido era muito diferente do da casa de seu pai. Ela havia sido ensinada e incentivada a expor suas idéias com firmeza, sendo aplaudida por isto. Agora tudo o que dizia era tido como uma afronta a eles e sempre ocasionava mal entendido, levando-os a distratarem-na. Sua sogra sempre censurava a família dela. Eles a forçavam a ficar em silêncio de uma forma bruta e vergonhosa e brigavam com ela de manhã até à noite. 
Sua sogra tanto se opunha a ela que lhe dava as tarefas mais humilhantes para fazer. Toda a ocupação de sua sogra era de frustrá-la e inspirar os mesmos sentimentos em seu filho, o qual dava muito crédito a tudo que sua mãe dizia a respeito dela, embora muitas vezes tomasse sua defesa. A diferença de idade entre ela e seu marido também agravava a situação, pois isto lhe dava uma certa distância (ele era vinte e dois anos mais velho). Apesar disto, ela afirmou que seu marido a amava; não fosse por sua sogra e sua serva, poderia ter sido muito feliz com ele. Sua sogra a difamava entre as pessoas dizendo que ela tinha um espírito mau, fazendo com que cada vez mais ela se fechasse dentro de si mesma. Para aumentar ainda mais suas cruzes, sua própria mãe falava mal dela com sua sogra. 
Faziam com que as pessoas de classe inferior fossem colocadas acima dela. Sua condição no casamento era mais a de uma escrava do que a de uma pessoa livre. Deram a ela uma serva que além de destratá-la o tempo todo de formas absurdas (com berros e maus tratos), a vigiava constantemente como uma governanta, não somente ela, mas também todos os outros empregados. 
Tal era seu sofrimento que estava quase pronta a morrer com as agonias de sua dor e contínuo tormento e afronta. Ela disse que comia o pão de dores e misturava as suas lágrimas com a sua bebida.  
Mme Guyon se referiu em seu livro a esta nova fase de sua vida da seguinte maneira: “Eu lhe peço para não interpretar as coisas aos olhos da criatura, o que faria com que essas pessoas pareçam piores do que eram. Minha sogra era virtuosa, meu marido era religioso e não tinha nenhum vício. Devemos olhar todas as coisas aos olhos de Deus. Ele permitiu tudo somente para a minha salvação e porque Ele não queria que eu me perdesse. Além disso, tinha tanto orgulho, que tivesse eu recebido qualquer outra forma de tratamento, teria continuado da mesma maneira, sem talvez me voltar para Deus da forma como fui induzida a fazê-lo, pela opressão de uma multidão de cruzes¨.  
Foi nessa condição tão deplorável que começou a perceber a necessidade da assistência de Deus. Essas cruzes a atraíram a Ele. Orava ao Senhor para ajudá-la e Ele era o seu refúgio. Ela declarou em seu livro: “A conduta deles em relação a mim, a qual parece tão sem sentido, não deve ser encarada com olhos terrenos. Devemos olhar mais alto e então veremos que isso foi direcionado pela Providência para minha vantagem e galardão eterno¨. 
Tudo isto, como ela mesma afirmou, a fez morrer para sua vã e soberba natureza. Ela começou a achar em Deus razões para o sofrimento, o qual lhe era bem necessário.  
Foi perto de seus dezoito anos, próximo dos dias de ganhar seu segundo filho que Mme Guyon experimentou sua verdadeira conversão, com a ajuda de um religioso da ordem de São Francisco, com poucas palavras tais como: “Procure Deus no seu coração e você o encontrará ali”. Estas palavras foram como um dardo que penetrou até o fundo do seu coração, trazendo-lhe aquilo que ela havia estado procurando por tantos anos. Ainda mais, elas lhe revelaram o que estava ali, o que ela ainda não havia desfrutado por não saber.
Diante disto, exclamou: “Ó Senhor, Tu estavas em meu coração, e somente esperavas por um simples voltar-me para dentro de mim mesma para perceber a Tua presença. Ó Infinita Bondade! Quanto que eu corria de lá prá cá procurando a Ti; minha vida era um fardo para mim, apesar da minha felicidade estar dentro de mim mesma. Eu era pobre no meio de riquezas, e pronta a perecer de fome junto a uma mesa fartamente posta numa festa contínua. Ó Formoso, antigo e novo, por que fui Te conhecer tão tarde? Ai de mim! Eu Te procurava aonde não estavas, e não aonde Tu estavas. Eu estava à procura de entendimento destas palavras do Teu evangelho: “…Não vem o reino de Deus com visível aparência… o reino de Deus está dentro de vós” (Lucas 17:20,21). Isso agora eu experimentei, pois Tu Te tornaste o meu Rei, e o meu coração o Teu reino, no qual Tu Te tornaste supremo e realizaste toda a Tua vontade sagrada.
Eu não tenho agora qualquer outra visão, senão a de Jesus Cristo somente. Quão tremenda é a revelação de Jesus Cristo à alma quando a Palavra Eterna é comunicada. Isso nos torna novas criaturas, criadas de novo Nele¨.  
Depois desta experiência ela começou a buscar mais ainda os interesses de Deus do que os dela, a esperar grandes sofrimentos e a desejar uma mortificação a tudo do eu. O amor de Deus ocupava o seu coração tão constante e fortemente que não podia pensar em mais nada. Na realidade, ela não julgava nada digno de seus pensamentos que não fosse Deus. Esta sua imersão em Deus absorveu todas as coisas. Apesar de amar ternamente certos santos como São Pedro, São Paulo, Santa Maria Madalena, Santa Teresa, ainda assim não podia pensar mais neles, nem invocá-los, senão a Deus. Seu único prazer agora era arranjar momentos para ficar completamente sozinha com o Senhor. Todos os outros prazeres lhe eram dolorosos. Em sua feliz experiência, sabia que a alma tinha sido criada para desfrutar do seu Deus.  
Suas palavras: “Quando a vontade da criatura se submete a Deus inteiramente, entregando tudo à vontade divina, deixando-se ser totalmente aniquilada, através da operação de amor (cruzes), essa vontade é absorvida pela de Deus e o ser é purificado do eu. Quanto mais Deus aumenta o meu amor e minha paciência, menos temor e respeito tenho pelas cruzes mais opressoras, mas o amor as torna fáceis de suportar¨.  
Ela ainda deixou escritas estas palavras para definir o que estava se passando em seu coração: “Eu esperava continuamente Nele e Ele me vigiava incessantemente, e de tal forma me conduzia pela Sua Providência que esquecia todas as outras coisas. Eu não sabia como comunicar o que sentia para ninguém. Estava tão imersa em mim mesma que raramente conseguia fazer um auto-exame. Quando tentava, tudo na minha mente se confundia. Eu me encontrava ocupada com o meu Único Objeto. Estava absorvida numa paz inexprimível, via com os olhos da fé que era Deus que me possuía totalmente dessa forma. Mas não era de se supor que o amor divino permitisse que as minhas faltas ficassem sem punição. Com que rigor o Senhor pune os Seus fiéis e amados filhos. Nessas horas não devemos buscar aliviar nossas dores tentando achar consolo em outras pessoas, abrindo o nosso coração. Deveríamos antes suportar as provações passivamente enquanto duram, para que a obra que o Senhor quer realizar em nós seja completada e assim avancemos mais no nosso processo espiritual. Isso é difícil e requer grande firmeza e coragem. Muitos não avançaram mais no seu caminhar por causa da impaciência e por procurarem meios de consolação¨.  

Resultado de imagem para quietudeQuando enxergou tudo isto, começou a suportar silenciosamente os agravos de seu marido e de sua sogra. Isto passou a não ser tão difícil para ela devido à grandeza de sua ocupação interior, o que a mantinha insensível a todo o resto. Com esta atitude, sua situação em casa piorou ainda mais. Todos em sua casa desfaziam dela, desde o marido até a criada. Suportava tudo em profundo silêncio, estando recolhida no Senhor. Desta forma passou a viver, e o mundo, vendo que ela o tinha deixado, passou a perseguí-la, fazendo-a passar por ridícula e objeto de muitas fábulas. Ele não podia aceitar que uma mulher ainda tão nova, com quase vinte anos agora, pudesse desprezá-lo e ser vitoriosa sobre ele. Ela tinha bem pouca comunhão com este mundo e parecia experimentar literalmente as palavras de Paulo: “…já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim”. Ela não foi compreendida apenas no mundo secular, mas também passou a ser incompreendida no mundo religioso. Aqueles que estavam aquém desta nova experiência que ela vivia, ou por inveja ou por ignorância, também passaram a perseguí-la.  
Mme Guyon começou a experimentar um estado de oração contínua, uma vida de oração silenciosa. Ela declarou: “A oração para mim era recompensada com a cruz, e a cruz com a oração. Dons inseparáveis e unidos em meu coração e vida”. O clérigo de Paris da época declarou que nunca tinha visto uma mulher a quem Deus mantinha tão perto Dele e em tão grande pureza de consciência. Ela declarou que o que a mantinha assim era o cuidado contínuo de Deus sobre si, fazendo-a sentir a sua presença como Ele prometeu no Evangelho. 
“Se alguém me ama, guardará a minha Palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada”. (João 14:23) 
“Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela”. (Salmo 127:1) 
Ela disse: “Deixem outros atribuírem a vitória à própria fidelidade deles. Quanto a mim, nunca a atribuirei a coisa alguma que não seja o Teu cuidado paternal”.  
É interessante notar que mesmo tendo atingido esta compreensão espiritual, ainda tinha tempos de lutas interiores com sua vaidade, que segundo ela mesma mencionou, foi algo muito difícil de deixar, pois emergia quando ocasiões eram proporcionadas, embora ela rapidamente retornasse para Deus. 
Ela declarou: “Ó Senhor, não és todo suficientemente forte para erradicar esta duplicidade injusta do meu coração? Pois se alguém ler esta vida com atenção, verá da parte de Deus somente bondade, misericórdia e amor; e da minha parte, fraqueza, pecado e infidelidade”. 
Fosse o que fosse que tivesse de suportar, suportava em silêncio, sem se justificar, entregando tudo Àquele que é amor. O seu coração tinha uma linguagem que era feita sem o som de palavras, entendida por Deus, visto que só Ele é capaz de entender a linguagem da Palavra, a qual incessantemente fala bem dentro da alma.  
Outro golpe na vida de Mme Guyon foi a perda de seu pai e sua filha ao mesmo tempo, logo após ela se restabelecer de varíola. Ambos morreram em 1672 quando Mme Guyon estava então com vinte e quatro anos. 
Ela teve mais dois filhos depois disto (um filho e uma filha, à qual deu à luz pouco antes de seu marido falecer).  
Com a morte de seu marido, em julho de 1676, Mme Guyon entrou em seu quarto e em frente à imagem de Cristo, renovou seu contrato de casamento com seu esposo divino, fazendo um voto de castidade e fidelidade eternas.  
Sendo agora uma viúva, suas dores aumentaram ainda mais. Sua sogra e criada mostraram um desprezo ainda mais intenso por ela. Passado algum tempo, ela se separou amigavelmente de sua sogra, passando a viver sozinha com seus filhos. O curioso é que com o tempo Deus mudou a situação, e ela passou a ter um bom relacionamento com sua sogra. Também aos poucos foi sendo mal entendida pelos religiosos da igreja e perseguida.  

Foi então que conheceu o Padre Lacombe, mais ou menos na mesma ocasião em que um forte impulso no seu interior a impelia para ir a Genebra, ao que ela teve uma certa relutância, indagando-se se seria correto: “Deverei chegar a tal excesso de impiedade a ponto de abandonar a fé através da apostasia? Estarei a ponto de largar essa Igreja, pela qual daria mil vidas? Ou, cairia da fé à qual eu selaria até mesmo com o meu sangue?”  
Contudo recebeu muitas confirmações para ir a Genebra, através de cartas, sonhos, e até mesmo do Padre Lacombe, com quem a partir de então passou a ter fortes laços espirituais. Eles tinham um entendimento espiritual mútuo e compartilhavam de uma influência e compreensão espirituais recíprocas.  
Com muita relutância se separou de seus filhos, levando consigo somente sua filha mais nova. Entendeu firmemente que esta era a vontade de Deus, e se dispôs a deixar todas as coisas em submissão a seu Senhor, já que era isto que Ele estava requerendo dela, e entregou tudo à Providência. Ela disse: “Os laços com os quais o Senhor me mantém unida a Ele, são infinitamente mais fortes do que aqueles da carne e do sangue”.  
Ela nunca duvidou desta ter sido a vontade de Deus; mesmo quando a criticavam, permanecia firme. Renunciou à família, posição, seus bens, passando a viver sem muito sustento, tendo por grande gozo poder padecer tudo por Aquele que ” Si mesmo se entregou por nós”.  
Para resumir, ela começou a viajar com a ajuda do Padre Lacombe, que a conduziu através de muitos ciclos de desenvolvimento espiritual pessoal, para Genebra, Turim e Grenoble.  
A natureza dos seus ensinamentos, considerada herética pela Igreja Católica, porque tendia a excluir o mundo exterior e os mecanismos da Igreja, levantaram suspeitas e resistência de bispos locais, sendo com isso sempre obrigada a mudar dos lugares e até muitas vezes a se esconder. Mas sempre encontrava aqueles que estavam em busca dessa comunhão com Deus, aos quais não negligenciava em ajudar. Como ela mesma declarou em seu livro, passou a ser mãe de muitos filhos. Nesta época ela teve revelações de que as suas cruzes aumentariam e de que ainda iria padecer muito por Cristo, o que recebeu com grande alegria e paz interior.  
Foi neste período que publicou a mais importante de suas obras, cujo título é “O Resumido e Fácil Método de Oração”.  
Em 1687, Lacombe foi preso, onde morreu, e Mme Guyon foi aprisionada em 1688. Mas não ficou presa muito tempo. Foi solta poucos meses depois sob a intervenção de Mme de Maintenon, a segunda esposa de Luis XIV, que além de admirá-la muito, introduziu-a no círculo real, onde Mme Guyon pôde influenciar espiritualmente muitas pessoas.  
Foi quando conheceu seu maior discípulo, Frei Fénelon, o qual encontrou nos seus ensinamentos as respostas para seus dilemas espirituais. Os escritos de Fénelon, então influenciados pelo ¡Quietismo¡¦¡¦, geraram um grande alarme no meio religioso e político, o que acabou ocasionando uma Conferência em Issy em 1695, na qual Fénelon defendia os ensinamentos de Mme Guyon.  
Estes ensinamentos foram condenados pela Igreja Católica e Mme Guyon acabou sendo presa, ficando ali até 1703, quando então foi solta. Um de seus grandes perseguidores foi o Padre de La Motte, seu próprio irmão. Ela passou a viver então em Blois, onde escreveu muitos dos seus ensinamentos e experiências.  
Morreu em 9 de junho de 1717, aos setenta anos.  
  Resultado de imagem para quietude
Afirmações que ela fez:  
“Nosso Senhor tem dado a esta minha alma as qualidades da pedra: firmeza, resignação, insensibilidade e poder para suportar as duras lutas e provações sob as operações de Suas mãos”.  
“Eu vi que o amor de Deus na minha alma era perfeito, sendo sem nenhuma reserva, divisão ou qualquer interesse. Pobreza perfeita, pela privação total de tudo que era meu, tanto interiormente como exteriormente. Obediência perfeita à vontade de Deus, submissão à Igreja e honra a Jesus Cristo por amar somente a Ele. Quando pela perda de nós mesmos, nos entregamos ao Senhor, nossa vontade se torna a mesma e única com a do Senhor, conforme a oração de Cristo: ‘a fim de que todos sejam um, e como és Tu, O¡¦ Pai, em mim e eu em Ti, também sejam eles em nós’. (João 17:21)  
“Quanto a mim, eu posso dizer que tenho uma dependência de Deus contínua, em qualquer situação; minha alma está sempre pronta a obedecer todo movimento do Seu Espírito. Penso que não há nada no mundo que o Senhor possa requerer de mim, que eu não entregue prontamente e com prazer a Ele. Não tenho qualquer forma de interesse por mim mesma. Quando Deus requer qualquer coisa desta pobre alma, que está reduzida a nada, não encontro nenhuma resistência em mim em fazer a Sua vontade, por mais dura ou rigorosa que possa ser. Se existe um coração neste mundo, do qual Ele é o Mestre único e absoluto, o meu parece ser um deles. A Sua vontade, embora rigorosa é a minha vida e prazer”.  
“Perder tudo por Ele é o meu maior ganho; e ganhar tudo sem Ele seria a minha maior e pior perda”.  
“Enquanto eu era prisioneira em Vincennes, e o Senhor De La Reine me interrogava, eu passava o meu tempo em grande paz, contente de passar o resto da minha vida lá, se tal fosse a vontade de Deus. Eu entoava cânticos de alegria, os quais a criada que me servia aprendia a cantar, tão rápido eu os compunha. Juntas cantávamos Seus louvores, O¡¦ meu Deus! As pedras da minha prisão pareciam aos meus olhos como rubis; eu as estimava mais do que o brilho sedutor de um mundo vão. Meu coração estava cheio daquele gozo, o qual Ele concede àqueles que O amam, no meio de suas grandes e pesadas cruzes”.  
BIBLIOGRAFIA  
Madame Guyon – An Autobiography, Moody Press – Chicago. (