6 de outubro de 2012

Gladys Aylward FÉ ACIMA DO LIMITE


Depois de ler um artigo de revista sobre a China, Gladys Aylward não pode mais tirar essa idéia de sua mente. Mas quando a Missão para o Interior da China rejeitou seu nome como missionária, ela encontrou seu próprio caminho em 1932, crendo em Deus em cada passo que dava. Sua simples dependência do Senhor poderia ser tema para muitos livros, pois jamais se apartou da China, até 1970, a não naqueles fatídicos 10 anos de interrupção comunista onde todos os estrangeiros tiveram que deixar o país. Prevalecendo sobre doenças e os perigos da guerra , Aylward viveu uma grande aventura por Jesus Cristo e sua história é uma das mais famosas histórias missionárias do século 20 Ela nunca se casou, nunca teve filhos e não tinha parentes chegados. Ela começou a clamar a Deus em meio a sua solidão e o Senhor lhe concedeu centenas de órfãos para ela cuidar, o que lhe causou grande conforto ao seu solitário coração. Na China, ela chegou a cuidar de mais de 100 crianças de uma só vêz e Deus nunca deixou faltar nada. Sua maior proeza foi fugir a pé do exército japonês que havia atacado a China, com mais de 100 crianças órfãs, algumas bem pequenas, pelas montanhas íngremes da China , desviando e se ocultando de tropas do exército inimigo. Ela fugiu por muitos dias, com todas essas crianças e chegou a seu destino sem que nenhuma das crianças tivesse morrido, quer seja por fogo cruzado do inimigo, fome, animais selvagens ou doenças. Foi realmente um grande milagre que o Senhor Jesus realizou na vida dessa fantástica mulher de fé. Muitos anos depois de servir a Cristo na China, Gladys retornou a inglaterra e lá chegando, foi impactada por um choque cultural, do qual ela escreveu mais tarde ” Até mesmo dentro das igrejas, os cristãos parecem que estão mornos. As mulheres se vestem com suntuosos vestidos e eventos sociais são de maior importância do que reuniões de oração ou cruzadas evangelísticas. Para mim é muito mais difícil alcançar o coração de uma congregação inglesa do que os ignorantes e superticiosos chineses Em 1930, tomou um trem através da Rússia para ajudar uma velha missionária Chamada Agnes lawson. Em 1932 o mandarim a nomeou “inspetora de pés “ para cuidar da saúde dos pés das chinezas, o que era uma tradição na época. Ela se utilizou desta funçãp para pregar a palavra de Deus. Em 1933 muitos na China já a chamavam de “Santa mulher” e “mulher de milagres”. Em 1936 recebeu cidadania chinesa e se tornou conhecida como Ai-Weh-Deh, palavra chinesa para “virtuosa “.