30 de junho de 2013

John Woolman - O SEGREDO DA FELICIDADE


O SEGREDO DA FELICIDADE


VOCÊ GOSTARIA DE FAZER DE SUA VIDA UMA COMPLETA FESTA DE PAZ E DE ALEGRIA?
John Woolman (alfaiate Quacker do século XVIII, cujo diário é um clássico da espiritualidade) o fez.

Ele resolveu organizar seus afazeres exteriores de tal modo que pudesse estar, a cada momento, atento àquela voz. Simplificou sua vida à base de sua relação com o Centro divino.
Nada mais valia tanto quanto a atenção à Raiz de todo viver que ele descobria dentro de si mesmo. E a descoberta Quacker é justamente esta: os sussurros de orientação, amor e presença divinos, mais preciosos que o céu e terra. John Woolman nunca permitiu que as exigências do seu negócio ultrapassassem suas necessidades reais.

 Quando vinham muitos clientes, ele os mandava para outro lugar, para comerciantes e alfaiates mais necessitados. Sua vida exterior tornou-se simplificada à base de uma integração interior. Descobriu que podemos ser homens e mulheres guiados pelo céu, e se rendeu completamente, sem reservas àquela orientação, tornado-se aquecido e próximo ao Centro.

            Eu disse que sua vida exterior tornou-se simplificada, e usei de propósito a voz passiva. Ele não precisou lutar e renunciar e se esforçar para alcançar a simplicidade.
Ele rendeu-se ao Centro, RENDEU-SE AO ESPÍRITO SANTO e sua vida tornou-se simples. Era sinótico; tinha singeleza de visão. “Se o teu olho for singelo, todo o corpo será cheio de luz”. Seus muitos egos integravam-se num só ego verdadeiro, cujo único objetivo era de andar humildemente na presença, orientação e vontade de Deus.  

Era como se houvesse nele um presidente que no silêncio solene da interioridade, percebia o consenso da reunião. Eu direi que o método Quacker de conduzir as reuniões administrativas aplica-se também, individualmente às nossas vidas interiores. O Santo observava, na vida interior de John Woolman, como fez Jesus quando observou as pessoas colocando suas ofertas na tesouraria.

            E debaixo do olhar silencioso daquele que é Santo estamos todos, quer o saibamos, quer não. No centro, no abismo onde habita o Eterno no fundo do nosso ser, nossos programas, doações e oferenda de tarefas realizadas estão sendo constantemente reavaliadas. Não conseguíamos dizer “não” a eles, porque pareciam tão importantes. Mas se centrarmo-nos e vivermos no Silencio que é mais precioso do que a vida, e levarmos o nosso programa para os lugares silenciosos do coração, com abertura total, prontos a fazer ou renunciar segundo a Sua direção, muitas das coisas que fazemos perderão a sua importância. Eu gostaria de testificar isso, como experiência pessoal, fruto da graça. Essa reavaliação daquilo que fazemos ou tentamos fazer, é feita para nós, e aí sabemos o que fazer e que deixar de fazer.

            Quero falar com muita intimidade e seriedade a respeito daquele que é mais precioso do que a vida. Será que você realmente deseja viver sua vida, cada momento dela, na presença dele? Você o almeja, suspira por Ele? Ama sua presença? Cada gota do seu sangue o ama? Cada suspiro é uma oração, um louvor a Ele? Você canta e dança dentro de si mesmo, enquanto se regozija no amor dele? Está decidido a ser dele, e somente dele, andando a cada momento em santa obediência?
Sei que estou falando como um evangelista dos velhos tempos, mas não posso me conter, nem posso ser correto e convencional. Já vivemos tempo demais sendo corretos e reprimidos. O gozo do amor de Deus, de nosso amor a Deus e do amor dele a nós está queimando forte. “Amarás ao Senhor teu Deus com todo teu coração, alma, mente e força”. Amamos mesmo, de verdade? Das nossas mentes sai um fluxo de amor em direção a Deus, sempre, o dia todo? Intercalamos o nosso trabalho com orações e louvores a Ele? Vivemos firmes na paz de Deus, uma paz no fundo de nossa alma, onde não há mais tensão e Deus já é vencedor sobre o mundo e sobre nossas fraquezas?
Esta vida, esta paz contínua, duradoura e infalível, este poder sereno, esta conquista interior sobre nós mesmos e conquista exterior sobre o mundo - tudo isso é para nós. É uma vida livre de tensão, ansiedade e pressa, porque algo da Paciência Cósmica de Deus nos é dado. Será que nossas vidas são inabaláveis, porque estamos plantados bem na rocha, enraizados e arraigados no amor de Deus? Este é o primeiro e o maior mandamento.

            Você quer viver numa presença divina tão estupenda que a vida seja transformada e transfigurada e transmudada em paz, poder, glória e milagre? Se quiser, pode. Mas se você disser que não tem tempo para descer aos silêncios recriadores, só posso responder: Então você não quer realmente, você ainda não ama a Deus sobre tudo mais no mundo, com todo seu coração, alma, mente e força. Porque, exceção feita a tempos de doença na família e quando os filhos são pequenos, quando estamos sob grandes pressões, acabamos descobrindo tempo para aquilo que realmente queremos fazer.

            Desejo ser drástico e impiedoso em desmascarar qualquer fingimento na questão da devoção e singeleza de amor a Deus. Mas devo confessar que não leva tempo, nem complica seu programa. Tenho descoberto que uma vida de sussurros de adoração, de louvor e de oração pode permear o dia. É possível ter um dia muito cheio, no sentido exterior, e mesmo assim estar continuamente na Santa Presença.
Precisamos, isto sim, de uma tranqüila meia hora ou hora de leitura e reflexão. Mas podemos levar os silêncios recriadores dentro de nós, quase o tempo todo. Com alegria leio o irmão Lawrence (irmão leigo francês do século XVIII), na sua “Prática da Presença de Deus”. No final da quarta conversação, diz-se dele: “Nunca estava apressado nem ocioso, mas fazia tudo a seu tempo, com uma serenidade ininterrupta e espírito tranqüilo”. A hora de negócios, diz ele, para mim não difere da hora de oração, e no barulho e tinido de minha cozinha, com várias pessoas pedindo coisas ao mesmo tempo, possuo a Deus com a mesma tranqüilidade, como se estivesse ajoelhado recebendo o sacramento. “A verdadeira razão de não recolhermo-nos, não centrarmo-nos, não é falta de tempo; em muitos de nós, ao que me parece, é a falta de um prazer entusiasta nele, de um profundo amor dirigido a Ele em todo momento do dia e da noite.

            Deve ficar claro que estou falando de um estilo revolucionário de viver. A religião não é algo que acrescentamos às nossas outras tarefas, assim tornando ainda mais complexas as nossas vidas. A vida com Deus é o Centro da Vida, e tudo mais é remoldado e integrado de acordo. É isso que dá singeleza de visão. O mais importante não é estar  sempre passando copos de água fria para um mundo sedento. É possível estarmos tão ocupados tentando cumprir o segundo grande mandamento, “Amarás a teu próximo como a ti mesmo”, que ficamos subdesenvolvidos na nossa devoção a Deus. Mas, temos que amar a Deus tanto quanto ao próximo. Estas coisas deveríamos fazer sem deixar a outra pela metade.




                                               casa onde morava John Woolman


Acabou de nascer uma canção para celebrar a memória de uma pessoa admirável: John Woolman. No Brasil, infelizmente, pouca gente o conhece. Não há quase texto algum sobre ele. Fico até na obrigação de escrever algo. Ele foi um cristão quacker que viveu nos Estados Unidos há muito tempo (1720-1772). Três coisas me deixam impressionado na vida desse camarada: o amor pela natureza, o amor pelos povos indígenas e o amor pelos afrodescendentes (na época escravos).
Mesmo sendo desaconselhado a correr os riscos, Woolman decidiu conhecer e viver um tempo entre os índios Wehaloosing, considerados hostis. A eles, Woolman falou de Jesus. Durante toda a sua vida lutou pelo fim da escravidão dos negros. Por esse motivo, não usava roupa, sapato ou qualquer artefato produzido por mão de obra escrava. Quando visitava fazendas, preferia ficar hospedado nas senzalas do que nas casas dos senhores.
Pregador itinerante, conservacionista antes do tempo, queria o diálogo entre os povos.
Li o seu diário e lá encontrei passagens como esta: "O amor foi o primeiro movimento, e então senti o desejo de passar um tempo com os índios, para que eu pudesse sentir e entender sua vida e seu espírito, e também ter a felicidade de receber alguma instrução da parte deles, ou quem sabe eles poderão ser de alguma forma ajudados pela minha vida entre eles..." (The Journal of John Woolman).
Canção para John Woolman
Ele anda na floresta lentamente
E molha os pés nas águas da manhã
Coração de índio, cheiro de hortelã
Ele deixa a sua aldeia, seu conforto
E entrega a Deus os rumos do amanhã
Coração de índio, cheiro de hortelã
É cruzar a fronteira e deixar-se levar
Pelo Vento ao deserto e ao chão
E ali achar o seu irmão
O perigo é não amar
A vergonha é não sonhar
O engano é não enxergar
O olhar do outro
Ele anda pelas casas e fazendas
E vê ao longe os campos de algodão
Coração de negro, olhos na amplidão
Ele sente o corte fundo sobre a pele
E a lágrima esquecida no porão
Coração de negro, olhos na amplidão
Criciúma, 9 maio 2013.