19 de março de 2015

Pregação nas ruas Por William Taylor

STREET PREACHING

Pregação nas ruas
Por William Taylor
William Taylor era metodista na Conferência da Califórnia, em meados da década de 1800. Embora publicado em 1867, este artigo fala a nossa geração. Mr. Taylor falou sobre refinamento cultural, a educação secular, os efeitos negativos da imigração, a apatia das igrejas, e outros temas que se aplicam hoje. O livro de que este capítulo é tomado é chamado, "Sete Anos de  Pregação nas ruas de San Francisco, Califórnia."


"Por que você deve pregar nas ruas ?"
I. PORQUE É um dever intimado pelo SENHOR JESUS ​​CRISTO

A "grande comissão", segundo o qual cada embaixador verdadeiro sai no "ministério da reconciliação",  ordena que devemos ir por todo o mundo a pregar o evangelho: "Ide por todo o mundo, e pregai o Evangelho a toda criatura. " Será que os apóstolos entenderam que essa ordem era para pregar no templo, nas sinagogas, nas "casas contratadas", e "quartos superiores?" Certamente. Será que eles entendem que era isso tudo e nada mais? Certamente que não. Eles sabiam muito bem que o templo e as sinagogas, e todos os quartos das casas que eram oferecidas eram apenas uma pequena proporção das criaturas abraçados em sua comissão. Cada palavra deste grande comando, emoldurado por infinita sabedoria, é simples e inequívoco: Um anúncio do Evangelho tão amplo deve também ser feito " para fora de portas", e tão específico e pessoal, para que cada rebelde da raça caída, seja abraçado.
Mais uma vez, o Salvador, ilustrando, pela parábola da "Grande Ceia", a provisão abundante da misericórdia no Evangelho, a ser proclamada fora dos templos: "Sai depressa para as ruas e becos da cidade e traze aqui os pobres, e aleijados, e os mancos, e os cegos. " "Sai pelos caminhos e valados, e obriga-os a entrar, para que a minha casa se encha."


II. É apoiado por DIVINOS EXEMPLOS
O primeiro sermão que Jesus pregou, foi pregado em uma montanha. Muitos outros de que temos registro foram pregados a beira-mar, no convés dos navios, e nas ruas de Cafarnaum. Ele pregou, com certeza, no templo e nas sinagogas, mas  seus sermões, nessas ocasiões, não são mais importantes que aqueles pregados ao ar livre". 
              Acreditamos que ele estabeleceu pelo seu próprio exemplo, os precedentes que ele projetou para ser praticamente operatório através de todos os tempos, a saber: A pregação do evangelho precisa ser feita em todo lugar, inclusive nas ruas e em campo. Os apóstolos agiam,  em conformidade com esta regra, o grande apóstolo dos gentios foi comemorado como um pregador ao ar livre.
III. FOI confirmados pela COMPROVAÇÃO DIVINA
Deus sempre abençoou a pregação fiel da palavra nas ruas, pistas, estradas e campo aberto, através de toda a história da Igreja até o tempo presente. Vejamos  a coragem singular e os grandes resultados alcançados pela pregação outdoor de alguns dos missionários valdenses, na Idade das Trevas. Notemos também os trabalhos e sucessos de Whitefield e Wesley e Fletcher, e seus coadjutores, na mesma obra. Deus fez da pregação em campo aberto que aqueles homens usavam uma grande ferramenta de evangelização e daquela maneira eles despertaram as massas do "Reino Unido da Grã-Bretanha", e na realização da grande reforma do século XVIII. Veja os trabalhos e bons frutos da pregação de rua de "o apóstolo para os irlandeses," Gideon Ouseley, que no lombo de seu  cavalo branco levou o avivamento aos irlandeses.
Assim Jesse Lee se dirigiu aos crentes   Metodistas da Nova Inglaterra. Várias igrejas americanas nasceram da veia apostólica das pregações ao ar livre. Veja como eles foram honrados por Deus. Contem, se vocês puderem, as milhares de almas que  foram convertidas em reuniões campais, as multidões  que lavaram as suas vestes no sangue de Jesus, e estão hoje sentados acima do círculo dos céus, louvando a Deus por reuniões em campo aberto . Tente lembrar de todos os  ministros e membros que foram trazidos a Deus por intermédio de reuniões campais, e você terá uma demonstração prática da verdade de nossa posição que irá surpreendê-lo. 
IV. Demonstrando a necessidade MORAL DA  PREGAÇÃO DE RUA
Passando pelo paganismo e países cristãos estrangeiros, limitarei minhas investigações em nosso próprio país. E agora permitam-me a perguntar aos opositores da pregação de rua , qual a proporção da população de sua cidade que poderá ser acomodada dentro de suas igrejas? E qual é a proporção das pessoas que vão à igreja? Agora o que você pode fazer para essas "criaturas" se elas não cabem nas suas igrejas? O que fazer se  grande parte da população não freqüenta a igreja e nunca vem aos cultos para ser advertida dos perigos do inferno e do pecado? Hoje, na Califórnia, todas as igrejas, católicas e protestantes, podem acomodar, dizem, sessenta mil pessoas, mas vão ter de deixar de fora mais de 240 mil "pessoas ", e não há espaço na  igreja para recebê-los; 
 O que Jesus faria em tal caso? Há espaço suficiente para cada um deles na compaixão de Deus, e no reino da graça; pois eles "não são comuns ou imundos", não são excluídos do pacto da promessa. Muito muitos deles são os filhos de nossos pais e mães em Israel, que morreram na fé.  

 Jesus nos ensina em sua palavra, "Vá para fora rapidamente, e obrigue-os a entrar" E você então responde, "Não cabe mais Senhor, já está cheio.
"Apesar de eu ter  pregado o evangelho nas estradas e becos a estes andarilhos, por sete anos, minhas lágrimas que agora, enquanto escrevo, caem, com a lembrança que eu tenho feito tão pouco para salvá-los, e que eu já vi tantas centenas deles morrendo nesta terra, sem qualquer esperança do céu.
 De acordo, com as estatísticas fornecidas pelo Censo dos Estados Unidos de 185O, os metodistas desta grande república tem 12.467 igrejas, que pudesse acomodar 4.209.333 pessoas. Agora, nós professamos acreditar que o projeto de Deus, em levantar o povo chamado Metodista, era reformar o continente, e espalhar a santidade bíblica sobre essas terras. Mas vamos olhar novamente para os fatos antes mencionados. Temos estado envolvidos nesta obra de reformar do continente por mais de 80 anos. Temos a nosso favor a constituição e leis da terra, uma língua comum, o acesso fácil a todas as classes da sociedade, e todas as facilidades desejável para comunicar a verdade. 
Temos também no comando dos aparelhos poderosos de nosso poderoso Evangelho, e os recursos espirituais de graça onipotente.  E, no entanto, em todo este lapso de oitenta anos, nós só chegou com o som do jubileu Evangelho cerca de um quinto da população dos Estados Unidos. E somente hoje, em 1865, existem nos EUA 2O, OOO, OOO de almas preciosas para quem não temos espaço em nossas igrejas.
Agora, é uma questão; que se eleva infinitamente acima de qualquer mera visão sectária do assunto: Como se fará a iluminação, purificação, elevando influências do Evangelho ser exercida sobre essa poderosa massa da humanidade negligenciada? "A justiça exalta uma nação, mas o pecado é o opróbrio dos povos." Nossa nação é censurada e enfraquecida muito por causa dos pecadores que freqüentam nossas igrejas.

Ao concluir este argumento, gostaria de mui respeitosamente submeter uma sugestão "saia pelos caminhos, e pregue o Evangelho". Que cada um possa agir de acordo com a sua própria responsabilidade, como aquele que deve prestar conta; mas, na medida do possível, os ministros de todas as denominações agir em conjunto. Deixá-los, como os antigos arautos do grande jubileu dos judeus, ao mesmo tempo "proclamar a liberdade em toda a terra, a todos os seus moradores e deixar que todos os leigos, "conheçam  o som alegre",  tendo as "boas novas", pessoalmente proclamada para os seus vizinhos e assim o conhecimento do Senhor se multiplicará.


pregação ao ar livre