6 de julho de 2013

BILL BORDEN - O EVANGELISTA DE YALE , CONNECTICUT


JOVEM MILIONÁRIO DEIXA TUDO PARA SEGUIR A CRISTO.
Por Richard D. Emmons
 



NO REPLETO CEMITÉRIO AMERICANO NO CAIRO (EGITO), HÁ UMA LÁPIDE NA QUAL SE LÊ: “ WILLIAM BORDEN,  1887- 1913".       
Mais longe, no Vale dos Reis, encontramos um monumento de um tipo diferente:  a tumba opulenta  de Tutancâmon que viveu entre 1341 – 1323 a.C., conhecido como o Faraó Tut. Ambos nasceram em situação privilegiada, com riquezas, educação formal e oportunidades.  Quando o rei Tut morreu, aos aproximadamente 18 anos, ele foi colocado em sua tumba com  todas  as possessões terrenas, avaliadas hoje   entre 100 e 200 milhões de dólares. William Borden morreu aos 25 anos e foi enterrado sem nada.  Ele tinha dado sua vida e todas as  suas posses às missões e havia armazenado seu tesouro nos Céus por meio e seu trabalho fiel e devotado a Jesus Cristo.
Nascido de William e Mary Whiting Borden, no dia 1 de novembro de 1887, Bill Borden foi à escola em Chicago, onde seu pai era imensamente rico e proeminente, tendo feito fortuna na mineração de prata no estado do Colorado com o comerciante Marshall Field de Chicago. Mais tarde, um de seus professores escreveu:
De seu pai, ele herdou as qualidades elevadas para os negócios, habilidade de executivo, exatidão, clareza de mente, facilidade para perceber o caráter, prontidão, decisão, e uma rara gentileza de julgamento que o fazia  absolutamente silencioso quanto às faltas e fracassos dos outros. De sua mãe ele herdou as influências que, em sua meninice, resultaram em convicções religiosas definidas, em uma profissão de fé pública em Cristo, em hábitos de leitura bíblica e na oração diária “que a vontade de Deus pudesse ser realizada em sua vida”.
Bill teve seu novo nascimento aos 7 anos de idade, dedicou  sua vida a Cristo e nunca voltou atrás.
Depois de se formar no ensino médio, ele viajou por diversos países do mundo durante um ano com o Ver. Walter Erdman, um viajante experiente que mais tarde se tornou missionário na   Coréia. Charles Erdman, irmão de Walter, escreveu: 
Eles viram a grandiosa e indescritível necessidade que o mundo tem do evangelho. Para aquele que estava convencido do singular poder de Cristo para satisfazer essa necessidade, o chamado para o serviço foi definitivo e claro (...)    Antes de fazer oito semanas que estava em terras missionárias , ele escreveu para casa dizendo que gostaria de se tornar um missionário no exterior. Mais tarde, quando um amigo lhe questionou sobre “o motivo pelo qual ele planejara jogar fora sua vida no meio dos pagãos“, ele respondeu significativamente: “Você nunca   V I U  o paganismo”.
 Sem  reservas
BILL BORDEN estão escreveu em sua Bíblia: SEM RESERVAS. 
Por causa do pedido insistente de seu pai, ele passou quatro anos  na Universidade de Yale em  New Haven, no estado de Connecticut  EUA, onde se sobressaiu nos estudos acadêmicos e nos esportes ao mesmo tempo em que desabrochou como discipulador de homens.  Chocado com a falta de interesse local pelas coisas espirituais, ele começou a fazer reuniões de oração em seu quarto com um de seus colegas, Charlie Campbell, no meio de seu primeiro semestre na universidade. 
No final de seu primeiro ano, 150 calouros estavam se encontrando regularmente para estudo bíblico e oração. Na época em que ele já  era veterano, 1.000 dentre os  1.300 alunos de Yale estavam se reunindo nesses grupos. Sempre que os líderes dos alunos se encontravam para distribuir nomes dos alunos que precisavam ser contatados, Bill Borden pegava os mais difíceis. Enquanto ia atrás deles Bill percebia quão desesperadamente New Haven precisava de Cristo:
New Haven... parecia reunir todo tipo de escória sórdida e desocupada, vagabundos e prostitutas, bares, jogatinas e bordéis surgiam em abundância para acomodar o vício que crescia rapidamente.  Nem sequer uma única missão de resgate existia para trazer alívio e o Evangelho aos perdidos. Borden sentiu que alguma coisa tinha que ser feita, então, ele reuniu seus amigos para orar, alugaram uma sala numa espelunca e começaram a realizar reuniões evangelísticas. Dessa forma, nasceu a      Y A L E      H O P E    M I S S I O N ( MISSÃO ESPERANÇA DE YALE ).  À medida que o trabalho crescia, Bill, rico mas sem nenhuma ostentação, comprou  o prédio inteiro e instalou ali uma casa de passagem.  Muitas vidas destroçadas foram ganhas para Cristo naquele lugar.
Jon Hinkson escreveu no Yale Standard:  “Um dos primeiros ‘ganhos’  por Bill lembrava mais tarde:  “Só quando os livros dos céus forem abertos é que vocês saberão o que Bill Borden fez ao fundar a Yale Hope Mission”. Henry B. Wright, professor  em Yale, testificou: 
"Tenho a firme convicção de que a Yale Hope Mission fez mais para convencer  todas as classes de homens em Yale do poder e  da praticabilidade do cristianismo de regenerar indivíduos e comunidades do que qualquer outra força da universidade”.
Sem recuos
Quando uma conferência do Movimento de Estudantes Voluntários em Nashville, no estado do Tennenssee, tocou seu coração sobre a necessidade de alcançar muçulmanos na China, Bill sentiu-se chamado a ir para lá.  Como também estudava árabe, ele se graduou em Yale com o equivalente ao mestrado, em 1.909.  Determinado a cumprir o chamado de Deus para servir como missionário, Bill rejeitou empregos lucrativos, inclusive a oportunidade de gerenciar os negócios multimilionários da família.  Novamente ele abriu sua Bíblia e escreveu mais duas palavras: SEM RECUOS.
Ele imediatamente ingressou no Seminário Princeton para se preparar para o serviço missionário ao povo muçulmano Kansu, da China.   A despeito de seus rigorosos estudos, Borden mantinha um programa pesado de ministério, geralmente viajando por sua própria conta para falar sobre missões em faculdades e para grupos em igrejas. Depois de  se graduar em  1912, ele  realizou um trabalho evangelístico na cidade de Nova Yorque e depois foi ordenado para o ministério na Igreja Moody.
Sem pesares
No dia 17 de dezembro de 1912, William Borden viajou de navio para o Cairo. Ele estava determinado a aperfeiçoar a língua árabe para lançar as bases para ter também domínio da língua chinesa.  No dia 21 de março, meros três meses após sua chegada, Bill contraiu meningite espinhal. Ele se recusou a viajar para casa, onde poderia ter tido a melhor atenção médica possível. Em vez disso, mandou uma carta a sua família e submeteu-se ao tratamento no Cairo.      Sua mãe e sua jovem irmã, Joyce, já haviam embarcado de navio para o Egito, planejando visitá-lo antes que ele partisse para a China. Infelizmente, elas chegaram apenas algumas horas depois da morte dele e foram levadas imediatamente para ver seu corpo.
Assim escreveu Erdman: “o seu corpo foi sepultado no Cemitério Americano de Missões no Cairo, na terra dos mesmos muçulmanos por cuja redenção ele havida dado sua vida. Cultos memoriais impressionantes foram realizados não apenas no Cairo, mas também em Chicago, em Princeton, da Filadélfia, em New Haven e em Nova Yorque.   Os jornais diários em todas as  partes do mundo imprimiram relatos relativamente extensos sobre a vida na qual um interesse universal foi despertado por sua elevada promessa e trágico final”. 
No testamento de Borden ele deixou sua fortuna de 1 milhão de dólares na época (aproximadamente 50 milhões de dólares hoje) para uma série de trabalhos cristãos.
Erdman escreveu: ‘Ele (o testamento) é um documento extraordinário, não apenas em vista dos bens reais que concede, mas também por causa do espírito que manifesta, de lealdade a Cristo e de devoção ao trabalho da  evangelização mundial. Ele é, em si, um apelo missionário. Sua maior doação foi para a Missão do Interior da China, onde o doador esperava servir e em cujo conselho tinha assento.’
“Borden de Yale”, como ficou conhecido, nunca chegou à China; mas  Deus usou a vida dele para causar impacto em centenas de milhares de pessoas. Certa vez, um colega de classe falou: “ELE É UM MISSIONÁRIO NO PRINCÍPIO, NO FINAL E DURANTE TODO O TEMPO.”
Seu amigo Charlie Campbell, com quem os incríveis anos em Yale começaram, recebeu a bíblia de Borden depois da morte dele. Quando a abriu leu as palavras: “sem reservas  e  sem recuos”, mais a frente ele encontrou duas outras palavras que haviam sido escritas dias antes da morte de William:“sem pesares".
O rei Tut foi enterrado com seus tesouros. William Borden desfruta o dia de hoje na presença do Deus Todo-Poderoso a quem serviu com total devoção.  Alguém disse certa vez: “SE DEUS CHAMAR VOCÊ PARA SER UM MISSIONÁRIO, NÃO SE REBAIXE PARA SER UM REI”.
Se sua vida fosse terminar amanhã, o que marcaria seu legado? Sua sepultura ou sua doação?