5 de dezembro de 2015

George Campbell Morgan - O significado do homem ser a imagem de Deus

A DESGRAÇA E A RUÍNA DE UM HOMEM SEM CRISTO


George Campbell Morgan (9-12- 1863 – 16-05-1945)
Evangelista, pregador, líder e  doutor de Bíblia.

A missão de Cristo, só pode ser compreendida em sua grandeza e magnitude quando estabelecemos a verdadeira condição do homem perdido e todos os desdobramentos da maldição em que ele se encontra e do terrível destino que aguarda a sua alma condenada.

Temos que considerar o homem em 3 aspectos:
Primeiro, seu estado antes da queda; em segundo lugar, a ação do homem durante a queda; e, em terceiro lugar, o homem depois da queda.


Antes da queda, temos que o homem foi criado à imagem e semelhança de Deus.
E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra. E criou Deus o homem à sua imagem: à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.” (Gn 1:26-27 )
Este é o livro das gerações de Adão. No dia em que Deus criou o homem, à semelhança de Deus o fez.” (Gn 5:1)
Quem derramar o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado; porque Deus fez o homem conforme a sua imagem.” (Gn 9:6 )”

O homem, pois, não deve cobrir a cabeça, porque é a imagem e glória de Deus, mas a mulher é a glória do homem.” (1Co 11:7)

“Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.” (2Co 4:4 )

“O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação.” (Cl 1:15 )
E vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou.” (Cl 3:10 )

“O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas.” (Hb 1:3 )
São estas as únicas passagens em que se declara de forma definitiva que o homem foi criado à imagem e à semelhança de Deus. O significado desta expressão pode elucidar-se mediante um exame exato das palavras empregadas. A idéia radical da palavra hebraica traduzida por «imagem» é a de uma sombra. Da outra palavra, não pode haver melhor tradução do que a adotada, vale por dizer, «semelhança».
Com respeito ao Novo Testamento, o termo traduzido por «imagem» nas primeiras Escrituras citadas é “eikon”, que sugere a idéia de uma semelhança de contorno, muito literalmente, um perfil. A palavra traduzida por «imagem» na passagem de Hebreus é a palavra “kharakter”, que, simplesmente, significa uma cópia exata, ou uma gravura. Assim se verá que tanto no Antigo Testamento como no Novo, a expressão sugere uma semelhança definida.
Tal como foi criado originalmente, o homem não estava apenas feito à imagem de Deus. Também foi feito para viver em união com Deus, de modo que toda a sua limitação pudesse achar o seu complemento na vida ilimitada do Eterno.

Esta proposta de vida de união com Deus pode descrever-se de duas maneiras: como comunhão pessoal, quer dizer, santidade de caráter, e como atividade cooperativa, ou seja, justiça de conduta. É inútil quedarmo-nos no Jardim do Éden para entender plenamente o que isto significava. Ali, no relato da criação, dá-se uma tênue sugestão da intenção divina. É necessário, sem embargo, vir ao segundo Adão, Jesus Cristo Homem, para uma completa apreciação deste intento divino. NEle a ininterrupta comunhão com o Pai manifestava-se em santidade de caráter, e a incessante cooperação com Deus expressava-se em absoluta justiça de conduta.

Para uma estimativa do significado de comunhão com Deus é mister recordar a análise de personalidade já mencionado: inteligência, emoção e vontade. No homem que ainda não tinha caído a inteligência limitada era, contudo, iluminada, sendo capaz de entender a Deus. A emoção limitada, não obstante, ardia para o conhecido, e o homem amava a Deus e tudo o que Ele amava. A vontade limitada, sem embargo, recebia energia da superior e infinita vontade de Deus, e assim sempre escolhia o que se harmonizava com essa divina vontade. Quer dizer que no homem não caído havia inteligência iluminada, emoção estimulada, vontade vigorizada, inteiramente dentro do domínio da divina soberania.
Logo, além dessa comunhão pessoal, havia atividade cooperativa, quer dizer, justiça de conduta. E, outra vez a análise de personalidade pode tomar-se como base de consideração. Toda a atividade é a expressão exterior de uma inteligência interior. Os atos da vida do homem não caído estavam em perfeita correspondência com os propósitos de Deus porque a sua inteligência tinha sido iluminada e apreciava as coisas de Deus. Neste ser a vontade exercia a sua mais elevada função ao escolher os aspectos de Deus, e as atividades da vida estavam associadas segundo as empresas de Deus. A ordem dada ao pai da raça era «dominai». Sobre uma maravilhosa criação, Deus pôs o homem. A criação sobre a qual o homem se encontrava não havia ainda manifestado todas as possibilidades da sua própria existência. Aguardava o toque do homem em cooperação com Deus para essa realização. Deus colocou o homem num Jardim para que ele o ordenasse e o mantivesse. A preparação do trabalho do homem foi de Deus, a criação do trabalhador foi de Deus, havia perfeita idoneidade entre o trabalho que era necessário fazer e o trabalhador preparado. Enquanto o homem vivia em comunhão com Deus e cooperava com Ele, toda a criação reconhecia a Sua direção, submetia-se ao Seu domínio e avançava ainda mais para formosura e perfeição maravilhosas.
Estas verdades estão evidenciadas pelo poder do homem ainda depois de sua queda. Todos os cultivos de flores, todas as invenções da ciência, são, em análise final, nada mais do que a cooperação com Deus, que resulta em outras formas de beleza e novas forças de utilidade. Uma ilustração muito singela na cultura floral é o crisântemo. Até há muito poucos anos era visto como uma flor de jardim antiquada, muito perfumada, mas muito simples. Hoje é uma das flores decorativas mais esplêndidas e maravilhosas. Tão formosa no comprimento e na delicadeza das suas pétalas, tão poética na sua inquieta ondulação de beleza e tão excelente na sua possibilidade de cor, que bem a tem descrito como «uma rosa irreprimível na sua alegria», segundo o doutor Joseph Parker. A possibilidade desta formosura sempre esteve dentro desta modesta flor de jardim, e o seu desenvolvimento deveu-se totalmente ao descobrimento que o homem fez de certas leis da natureza, as quais sempre estiveram nos pensamentos de Deus.
Assim também ocorre no campo dos descobrimentos científicos. Tome um mapa do mundo e ponha a mão sobre os centros onde se hão feito tais descobrimentos. Indiscutivelmente verá que a sua mão descansa sobre aquela terra onde há resplandecido mais intensamente a luz da revelação cristã. Estes fatos servem para provar que é em cooperação com Deus que o homem é capaz da mais alta atividade, porque na cooperação com Deus realiza a perfeição de caráter. O homem não caído realizou a mais elevada possibilidade do seu ser numa vida de comunhão pessoal e de atividade cooperativa com Deus.

Fica ainda um fato mais para recordar, concernente à condição do homem que ainda não tinha caído. Foi colocado em circunstâncias de prova. Quer dizer, a cidadela da sua natureza era a sua vontade. Para ele tratava-se de escolher se permaneceria nessa relação com Deus, que asseguraria a sua mais plena realização da possibilidade, ou separando-se de Deus, conduziria à sua própria ruína. Era uma alternativa terrível e tremenda. Sem embargo, a menos que fosse apresentada ao homem uma alternativa de obediência obrigatória, sua vontade e poder de escolha atrofiar-se-ia ao mais baixo grau em seu ser, por quanto o poder da vontade, não tendo nada que escolher, deixa de ter valor. Assim, no horto da sua atividade, Deus marcou-lhe o limite da sua possibilidade por dois símbolos sacramentais. Ambas eram árvores. Uma era a árvore da vida, do qual lhe mandou comer. A outra era a árvore da ciência do bem e do mal, que estava proibida. Entre estas havia uma variedade sem fim da qual podia ou não podia comer, conforme quisesse. Da árvore de vida tinha de comer, e assim, num símbolo positivo, lhe era recorda a sua dependência de Deus para o sustento do seu ser. Da árvore do conhecimento do bem e do mal estava ele proibido de comer, e assim lhe era recorda a limitação da sua liberdade dentro do governo de Deus. A vontade finita tem de ser provada, e subsistirá ou cairá conforme se submeta à infinita vontade do Deus infinito ou se rebele contra ela. Nestes termos, o homem não caído era um ser criado à imagem de Deus. Vivia em união com Deus, cooperava em atividade com Deus, tinha os limites do seu ser marcados por mandatos simples e definidos que lhe foram impostos. Além disso, tinha promessas de graça que o induziam ao que, por um lado, era o mais elevado, e uma solene sentença que o advertia contra o que, pelo outro lado, era o mais inferior. Era um soberano debaixo de uma soberania: independente, mas dependente. Tinha o direito da vontade, mas esta só podia exercitar-se perfeitamente em perpétua submissão à mais elevada vontade de Deus. Todo o fato está resumido quanto à natureza humana essencial nesta deliciosa copla:

«As nossas vontades são nossas, não sabemos como;
As nossas vontades são nossas para as fazermos Tuas». (Tennyson)

Ao considerar o relato bíblico da queda do homem, primeiro é necessário observar bem o processo da sua tentação. Na história de Gênesis é revelado claramente a grande distinção entre provar e tentar. A posição do homem na economia de Deus era que o punha no lugar de prova. Essa prova chegou a ser uma definida incitação para o mal mediante a agência do mal já existente, e expressando-se por meio do seu príncipe, o diabo. O método do inimigo estava cheio de toda a subtileza. Primeiro, fez uma pergunta calculada para criar o sentimento de liberdade restringida, e assim, pôr em dúvida a bondade de Deus. Parafraseando a pergunta, disse: Há neste jardim alguma árvore que te está proibida? Está limitada e restringida em algum ponto à tua vontade? A resposta da mulher admitiu a limitação que certamente existia. Então, a própria essência do mal vê-se na interpretação dessa limitação. A limitação no propósito de Deus era completamente benéfica, e a sua intenção era manter o homem dentro da única esfera em que podia progredir para a maior e mais plena possibilidade do seu ser. Sem embargo, o inimigo sugeriu que foi imposta por um desejo de parte de Deus de deter o homem do progresso e da ampliação da capacidade. Assim se vê que atrás do procedimento do diabo há uma calúnia quanto ao carácter de Deus. Fez com que o homem desconfiasse da bondade da lei. Apelando ao intelecto do homem, o inimigo criou uma expressão caluniosa, fazendo o cálculo de que trocaria a atitude da sua emoção e assim poderia capturar a última fortaleza, a de sua vontade. Declarou que a natureza intelectual não podia desenvolver-se devido a essa limitação. Por esta declaração, fez com que o homem duvidasse a respeito da bondade do Deus que tinha feito a lei. Desta forma, pôs em perigo a relação da vontade para com Deus, pois quis atrair a mulher para um lugar de atividade fora de e contrária à vontade de Deus.

Então veio a própria queda, e a sua característica essencial era a de uma ação independente. Depois de ter posto em julgamento a sabedoria e o amor de Deus, o homem, em vez de pedir conselho quanto à sugestão do mal, atuou independentemente. Nesse ato de auto separação de Deus caiu do âmbito em que era possível fazer efetivo todo o infinito significado doe seu ser, o de uma ruína total e irremediável. Todos os rios que entristeceram a vida do homem tiveram o seu nascimento neste lugar, retirado da vontade do homem do seu devido leito, o de atuar segundo a vontade de Deus. Escolheu a corrente sem leito de uma atividade indeterminável e desgovernada. Por ter tomado o fruto da árvore proibida o homem desprezou o emblema sacramental, porque tinha saído dessa esfera de vida da qual a árvore não participante era o limite.

Pela afirmação da sua própria vontade destronou a Deus e se venerou a si mesmo. Quanto à essência espiritual, o homem pecou quando, escutando o tentador, duvidou do amor e decidiu agir contra a vontade de Deus. Essa queda interior e espiritual do homem teve a sua expressão no ato abertamente cometido de tomar o que Deus tinha proibido.
A consequência do ato está revelada nas palavras: «O SENHOR Deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden». Por sua própria decisão e ato, o homem separou-se de Deus.. Por ter violado o pacto, o homem põe-se fora dos seus benefícios. A vida em dependência de Deus era a vida de união e cooperação com Deus. Devido a que o homem escolheu a posição de independência, agora encontra-se cortado da união e da cooperação. Perdeu o homem, a capacidade de crescer, separando-se de Deus, iniciou uma caminhada ladeira abaixo até as profundezas do desespero.

 Daqui em diante a sua inteligência atrofiou, por estar separada do Conhecimento Infinito. De igual modo, a sua emoção foi poluída, por ter perdido o seu perfeito objeto de adoração, que é Deus. A sua vontade, se transformou em uma magnífica ruína, perpetuamente procurará obter a superioridade, e contudo nunca poderá fazê-lo por ter perdido a sua própria e verdadeira fonte de ação, e o seu próprio Dono. Afastado de Deus, o homem não perdeu os poderes da sua criação original; perdeu a verdadeira esfera do seu exercício. A sua inteligência está entrevada, a sua emoção está amortecida, a sua vontade está degradada. A inteligência obscurecida só verá o que está perto. A amplitude da condição espiritual cessou, e o homem olhará o material numa semi cegueira que é ao mesmo tempo trágica e patética. Uma amortecida emoção, capacidade nascida do Céu, tentará satisfazer-se inteiramente dentro do domínio da Terra; e o amor, dado por completo a coisas físicas, estará para sempre ferido pela perda destas. A vontade degradada, sempre tentando ser autoritária, dominante, ver-se-á frustrada, deixada atrás, vencida. Desde esta desolação, desde esta desesperante ruína, Deus ouve o clamor (do Homem) por um Libertador.
Fonte:

Tomado e adaptado do livro (‘As crises de Cristo’) G. Campbell Morgan, Ediciones Hebrón - Desarrollo Cristiano