26 de maio de 2013

JOHN CLIFFORD Antigo presidente da aliança batista mundial


John Clifford

 

Ontem à noite eu parei à porta de um ferreiro,
E ouvi a bigorna a tocar o repique vespertino;
Então, olhando para dentro, eu vi no assoalho
Martelos velhos, gastos pelas batidas dos anos.

"Quantas bigornas você já teve," eu disse
"Para assim desgastar todos esses martelos?"
"Apenas um," ele disse e, com um piscar de olhos
"É a bigorna que acaba com os martelos, você sabe."

E assim, pensei, a bigorna da Palavra de Deus,
Por séculos os golpes dos céticos têm batido nela;
Mas, embora o ruído dos golpes fossem ouvidos,
A bigorna continua, sem danos, e os martelos se foram.

John Clifford

 

 

Martelos quebrados! Essas duas palavras sumariam toda a história dos ataques dos homens à Palavra de Deus. A bigorna da Palavra de Deus por séculos sofreu ataques incontáveis do martelo de seus inimigos, contudo não mostra um risco profundo ou arranhão superficial, em toda a sua superfície! Eu vejo inscritos nos martelos quebrados os nomes dos que os brandiram! Eu vejo o nome de Senaqueribe. O nome de Jeoiaquim está lá (Jer. 36). Diocleciano, Voltaire, Paine, Hegel, Hume, Griesbach, Semler, Lachman, Strauss, Baur, Ingersoll, Fosdick e mil outros INIMIGOS DA CRUZ DE CRISTO, brandiram seus argumentos infiéis contra a Palavra de Deus, no entanto ela resiste incólume. O assoalho da história está cheio de martelos quebrados dos críticos, mas a bigorna não foi danificada!