7 de outubro de 2015

Gardner C Taylor o principe dos novos pregadores Norte-Americanos










Gardner C Taylor, foi pastor da Concord Baptist Church of Christ, no Brooklyn, em New York por 42 anos. Foi talvez o mais respeitado pregador Afro-Americano da recente história religiosa Norte- Americana. Era conhecido como o principe dos pregadores. Ele entregou milhares de sermões e mentoreou centenas de jovens ministros. Recebeu do presidente Bill Cinton a “ Medal of Freedom “ ( Medalha da Liiberdade ), e foi condecorado pela Baylor University como um dos mais efetivos pregadores de todo o mundo.

Alem de grande pregador, Taylor deu uma tremenda contribuição a politização de toda uma geração de crentes Afro-Americanos, que ao contrário de Martin Luther King, Jr, que era conhecido com o um solitário Moisés liderando um povo incrédulo, Taylor organizou uma vasta liderança política na igreja americana. Ele liderava pelo exemplo de uma conduta justa e reta, sendo companheiro e auxiliador de dezenas de ministérios.
Taylor, nasceu em Baton Rouge, na Luiziana, debaixo da segregação racial e foi para o Oberlin College, em Ohio, onde obteve seu bacharelado e liderou uma geração de religiosos negros que se tornaram eruditos como nenhuma outra geração anterior, que foi sempre conhecida por seu palavreado simples e rudimentar com pouca profundidade teológica.
Taylor foi chamado ao ministério em 1948, e levou a Igreja Batista de Concord, no Brooklin a uma membresia de mais de 8.000 pessoas. Em 1952, depois da igreja pegar fogo, o pastor levantou  $1.7 milhões de dólares para reconstruir a igreja , o equivalente hoje a mais de 15 milhões de dólares, isso em uma congregação de trabalhadores classe média e muitos pobres.
Ele também fundou uma escola, uma casa de idosos, uma cooperativa de crédito e outras obras assistenciais.
No início de 1956, durante o boicote de ônibus em Montgomery, Martin Luther King veio a  Concord Baptist Church para falar a milhares de ouvintes e levantou mais de um milhão de dólares para a causa anti-segregacionista. Quatro anos depois, King aconselhou Taylor a sair como canditado a presidente ca Convenção Batista Nacional, a maior igreja dos EUA, com dezenas de milhões de membros.
O atual president era o Reverendo  J. H. Jackson,  pastor da Olivet Baptist Church, em Chicago, que paradoxalmente era contra o movimento de direitos civis encabeçados por Martin Luther King. Ele era a favor de conseguir os direitos pela lei e pela ordem e não da maneira dramática adotada por King. Ele também era conhecido como o “Papa Negro”.
Quando a convenção se reuniu em 1960, Taylor derrotou  Jackson com uma gigantesca margem de votos e se tornou presidente da Convenção Batista Norte-Americana, a mais poderosa agremiação religiosa do mundo, mas em uma manobra política muito contestada, Jackson ainda se manteve no poder. No outro ano , Taylor  concorreu novamente contra  Jackson, mas antes da eleição começar ouve grande tumulto um dos maiores aliados de Jackson caiu e fraturou o crânio, vindo a falecer no Hospital.
 Jackson culpou King, pelo acontecimento, mesmo King estando ausente da polêmica reunião.
Depois desta disputa, Gardner Taylor, juntamente com outros 33 pastores, fundaram a  “Progressive National Baptist Convention” a ( Convenção Batista nacional Progressiva), que depois incluir grandes líderes negros como Booth, Moss, Wright, entre outros grandes nomes.
Esta convenção recém criada, permitiu que todos os religiosos simpatizantes dos direitos civis para os negros se reunissem debaixo de suas asas e criou um suporte gigantesco para King e seus aliados.

O ministério de Gardner Taylor permaneceu como exemplo por mais de três gerações de crentes e manteve a comunidade cristã Afro-Americana Unida e muito forte em torno de um cristianismo bíblico e vibrante.