16 de novembro de 2014

"Os primeiros cinco minutos após a morte!" por Henry P. Liddon (1829-1890)


Os primeiros cinco minutos após a morte
por Henry P. Liddon (1829-1890)
/ ..
"Por agora, vemos como em espelho, obscuramente; mas então veremos face a face: agora conheço em parte; mas então conhecerei como
também sou conhecido. "
-I Cor. 13:12

Um oficial indiano, que em seu tempo tinha visto uma grande quantidade de serviços, e tinha participado em mais de uma dessas lutas decisivas pelo qual a autoridade britânica foi finalmente estabelecida nas Índias Orientais, voltou para terminar seus dias neste país e estava conversando com seus amigos sobre as experiências mais marcantes da sua carreira profissional. Eles o levaram,  para viajar através da memória, ao seu passado, descrevendo todas as suas batalhas, cercos, encontros pessoais, fugas e  vitórias. Por fim, ele fez uma pausa com a observação: "Espero ver algo muito mais notável do que qualquer coisa que eu já tenha visto."  Ele tinha cerca de setenta anos de idade, e seus ouvintes não conseguiram pegar o significado dessa palavras. Houve uma pausa; e, em seguida, ele disse em voz baixa: "Eu quero dizer, nos primeiros cinco minutos após a morte."

"Os primeiros cinco minutos após a morte!" Certamente a expressão vale lembrar, mesmo que apenas como a de um homem a quem a vida futura era, evidentemente, uma grande e solene realidade. "Os primeiros cinco minutos."Podemos supor que, no momento da nossa entrada nesse mundo novo e maravilhoso que já deve pensar e sentir como se tivéssemos sempre esteve lá, ou tinha estado lá, pelo menos, para os avançados na idade.

Há, sem dúvida, uma impressão, por vezes, a ser atendidas com que a morte é seguida por um estado de inconsciência.
A imaginação recua da tarefa de antecipar um momento tão cheio de respeito e admiração, como deve ser o da introdução de um espírito consciente para o mundo invisível.  Certamente a vida das almas sob o altar celeste, não é uma vida inconsciente. Certamente, o paraíso que o Senhor prometeu ao ladrão que morreu ao seu lado não pode ser razoavelmente imaginado ter sido um sono moral e mental, mais do que pode aqueles ministros angelicais que são enviados para ministrar aos que são herdeiros da salvação, ser suposto chegar a uma condição não superior ao que é produzido por clorofórmio, que conserva os mortos.

Não! essa suposição de um estado inconsciente após a morte é uma descoberta, não do Apocalipse, não da razão, não da bíblia, mas do desejo; de um forte desejo por um lado para manter um controle sobre a imortalidade, e por outro para escapar dos riscos que podem envolver a imortalidade. 

Não pode também ser posta em dúvida que a consciência, se não for mantida até o último no ato de morrer, se suspenso pelo sono, ou por doença física, ou por desarranjo deve ser recuperadas assim que o ato de morte é completado, com a remoção da causa que o suspendeu. Se este for o caso, a alma vai entrar na outra vida com os hábitos de pensamento que pertencem ao tempo ainda agarrados a ela; eles vão ser desaprendidos gradualmente, quando da entrada as outra vida.
E, seguramente, a primeira sensação de estar em outro mundo deve ser esmagadora. A imaginação pode, de fato, formar nenhuma estimativa digno dela; mas nós podemos pensar sobre isso o melhor que pudermos nesta tarde, uma vez que é, pelo menos, uma das abordagens para o grande e terrível assunto que trata o nosso texto, ou seja, a segunda vinda de Jesus Cristo para o julgamento. E aqui o apóstolo vem em nossa ajuda com sua expectativa de vida futura, como uma vida de conhecimento enormemente reforçada: ". Em seguida, conhecerei, como também sou conhecido" Ele está pensando, sem dúvida, de que a vida como um todo, e não da primeira entrada sobre ele, imediatamente após a morte. Sem dúvida, também, que ele está pensando nos altos privilégios dos bem-aventurados, cujo conhecimento, podemos presumir que dizer, com alguns grandes mestres da Igreja, será, assim, vasto e abrangente, porque eles vão ver todas as coisas em Deus, como em um oceano da verdade.  A mudança em si deve trazer com ela a experiência que é inseparável de um novo modo de existência: deve desvendar segredos; ele deve descobrir vastas extensões de verdade e revelar o coração dos filhos dos homens. Vamos tentar mantê-lo diante de nossas mentes, com reverência e sinceramente, por alguns minutos; e vamos nos perguntar, portanto, quais serão as adições mais surpreendentes ao nosso conhecimento existente em nossa primeira entrada no mundo por vir.

I. Primeiro, então, a nossa entrada em um outro estado de ser, vamos saber o que é que existe sob condições inteiramente novas.  

Aqui nós estamos ligados,   com as pessoas e objetos ao nosso redor.Eles nos influenciar sutilmente e poderosamente de mil maneiras; em alguns casos, completamente moldam o curso da vida.  Um menino nunca sabe o que em sua casa valeu a pena até que ele vá pela primeira vez para a escola; e, em seguida, ele sente falta, e como ele sente falta ele ansiosamente recorda e percebe, tudo o que ele deixou para trás. Quem de nós que tenha experimentado nunca pode esquecer essas primeiras horas na escola depois de sair de casa; aquele momento em que as despedidas foram mais, e o carro afastou-se da porta,  em seguida, nos viramos para nos encontrar em um novo mundo, entre os rostos estranhos e em cenas estranhas, e com um novo e talvez mais duro  governo?

Então, pela primeira vez, descobrimos o que nossa casa tinha sido para nós. E somos levados a sentir falta de nosso lar e do amor de nossos pais e as vezes pensamos em desistir na escola, mas geralmente nosso caminho não tem mais volta e de onde estamos não podemos retornar mais. Muitas vezes, tivemos que nos retirar para um lugar onde pudéssemos ficar sozinhos, e nos recuperar da melhor maneira possível dos desafios impostos por essa nossa nova vida. 

Sem dúvida, com o tempo, o hábito fez o seu trabalho; hábito virou escola, eu não vou dizer em uma segunda casa, mas em um novo e menos agradável tipo de casa. E, como o passar dos anos, vimos repetida uma e outra vez, no caso de outros aquilo que tínhamos vivido no início, e com uma vivacidade que não admitiu de repetição em nós mesmos.

Isso pode permitir-nos, em certo sentido, para compreender o que está reservado para todos nós em nossa entrada, ao morrer, para o mundo invisível. Isso é claro, não significa que esta vida é a nossa casa, e que o futuro de todo corresponde necessariamente à escola como sendo um banimento infinito.  Mas o paralelo não é distante da realidade que nos espera no momento da morte. Certamente devemos experimentar uma sensação de estranheza para que nada nesta vida nem sequer se aproximou. Porque  essaa cena de novo para nós ainda é inimaginável; não apenas vontade dos seres que nos rodeiam as formas, formulários, condições de existência, ser estranho que eles são ainda inconcebível; mas nós mesmos deve ter passado por uma mudança; uma mudança tão completa que não podemos aqui e agora antecipar o seu sentido pleno. 
Vamos existir, pensando e sentindo, e exercitando a memória e a vontade e a compreensão; mas sem corpos. Pense o que isso significa.

No momento estamos em casa no corpo; mesmo que não saibamos o que o corpo é para nós, as diversas atividades da alma são selecionadas e apropriado pelos diversos sentidos do corpo, de modo que a ação da alma de momento a momento é facilitada, bem podemos conceber, sendo assim distribuído. Na outra vida porém teremos que aprender a ver, mas sem esses olhos; ouvir, mas sem essas orelhas; experimentar algo puramente supersensível que deve responder aos sentidos mais grosseiros de paladar e olfato; e ver, ouvir, cheirar, e gosto por um único movimento do espírito, combinando todos estes modos distintos de assimilar as coisas, mas sem este nosso corpo, pois teremos o corpo de volta somente na ressurreição dos mortos, depois do juízo final. 


O que vai ser de nos encontrar com o velho homem, alienada deste corpo que tem vestido que desde o seu primeiro momento da sua existência; Assim serão os nossos primeiros cinco minutos após a morte.