14 de novembro de 2014

SERMÃO DE NATAL Spurgeon

SERMÃO DE NATAL Spurgeon

SERMÃO DE NATAL 

SPURGEON  

PARTE 1

"Onde está aquele que é nascido Rei dos judeus? Porque vimos a 
sua estrela no oriente e viemos para adorá-lo" Mt 2.2 

As boas novas foram dadas a conhecer a uns simples pastores de Belém, enquanto que os doutores da lei e os estudiosos e religiosos da época não souberam nada sobre o maior de todos os acontecimentos:  O NASCIMENTO DO MESSIAS
 
Também para alguns sábios, uns magos que eram estudiosos das estrelas e dos antigos livros proféticos do longínquo oriente. Não seria possível dizer que tão longe se encontravam de seu país de origem; 
Poderiam ter vindo da Pérsia, da Índia, de Tártaro, ou ainda da misteriosa terra de Sinim, conhecida hoje por nós como a China. Se assim foi, estranho e ordinário deve ter sido a língua daqueles que adoravam ao redor do Menino de Belém. 
Por que o nascimento do rei dos judeus foi dado a conhecer a esses estrangeiros e não aos mais próximos da própria casa? Por que o Senhor selecionou aos que estavam a centenas de milhares de kilômetros de distância, enquanto que os filhos do reino, em cujo próprio seio nasceu o Salvador, eram estranhamente ignorantes de Sua presença? Vejam aqui, outra vez, outro exemplo da soberania de Deus.
Tanto nos pastores como nos magos do oriente que se juntaram em torno do Menino, vejo como Deus dispensa Seus favores como deseja, e, vendo-o, exclamo: Te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste nessas coisas aos sábios e dos entendidos, e as revelastes aos pequeninos. Sim, Pai, porque isso lhe aprouve”. 

A soberania nesses casos se vestiu com as roupas da misericórdia. Foi uma grande misericórdia que considerou o humilde estado dos pastores, e foi uma misericórdia de longo alcance a que reuniu desde terras assentadas em trevas um grupo de homens feitos sábios para salvação. A misericórdia, levando suas resplandecentes joias, esteve presente com a soberania divina no humilde albergue de Belém. 
Vamos procurar aprender agora uma lição prática da história dos magos que vieram do oriente para adorar a Cristo. Se Deus o Espírito Santo nos instrui, poderemos extrair um ensino que nos conduza converter-nos em adoradores do Salvador e em ditosos crentes Nele.

Notem, primeiro, sua pergunta. Que muitos de nós nos voltamos inquisidores a respeito do mesmo assunto: Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? Notem, em segundo lugar, um estímulo: “porque nós vimos sua estrela.” Devido que tinham visto a estrela, eles tiveram a valentia de perguntar: “Onde Ele está?” E logo, em terceiro lugar, seu exemplo: “Viemos a adorá-lo”.
I. Consideremos SUA PERGUNTA: “Onde está aquele?

Muitas coisas são evidentes nessa pergunta. É claro que quando os magos fizeram essas pergunta, tinham em suas mentes um vivo interesse. O rei dos judeus tinha nascido, porem Herodes não perguntou: “Onde ele está?” somente depois ele  fez a pergunta com um espírito mal intencionado. Cristo nasceu em Belém, perto de Jerusalém; no entanto, ao longo de todas as ruas da cidade santa não havia pessoas que perguntassem: “Onde ele está?”. 
Meus queridos ouvintes, quero crer que existem aqui pessoas querendo saber onde está Jesus, porque, nos vemos forçados a lamentar amargamente o desinteressa da humanidade pelo Bendito Senhor.

Desprezado e rejeitado entre os homens, os seres humanos não vem Nele nenhuma formosura para desejá-lo; mas existe um povo que o ama e que procura por ele diligentemente e que sai a recebê-lo; para eles, Ele lhes dá poder de serem feitos filhos de Deus. Portanto, é uma feliz circunstância quando existe evidência de um interesse. 
Nem sempre existe um interesse evidente nas coisas de Cristo, ainda mesmo em nossos ouvintes regulares. Ir à adoração pública se converte em mero hábito mecânico; vocês se acostumam a estarem sentados durante uma parte do serviço, e a se colocarem de pé e a cantar em outra parte, e a escutar o pregador com uma aparente atenção durante o discurso; porem, estar realmente interessado, anelar saber de que tudo isso se trata, especialmente saber se possuem parte Nele, se Jesus veio dos céus para salvá-los, se nasceu de uma virgem por vocês, fazer essas perguntas pessoais com profunda ansiedade, está longe de ser uma prática generalizada; queira Deus que todos os que têm ouvidos para ouvir ouçam de verdade. 

 Quando um homem escuta com profunda atenção a palavra de Deus, quando pesquisa o livro de Deus e se entrega a uma meditação profunda com intenções de entender o Evangelho, temos muita esperança nele. 
Porem, no caso dos magos, vemos não somente uma amostra de interesse, mas sim a confissão de uma crença. Eles perguntaram: “Onde está aquele que é nascido rei dos judeus?”,  Oh, que vocês pudessem ir desde esse ponto de fé para outro e se convertessem em ardentes crentes em Jesus. Esses magos tinham tanta fé que criam que Cristo tinha nascido, e que tinha nascido sendo Rei. Muitos que não são salvos sabem que Jesus é o Filho de Deus, porém não o servem.MAS E VOCÊ, SE VOCÊ SABE QUE JESUS É O SEU REI, ENTÃO PORQUE NÃO O SERVE?

Vocês ocupam certamente a posição de pessoas altamente favorecidas. . Valorizem o que já receberam. Quando os olhos de um homem estiveram cerrados longamente nas trevas, se o oculista lhe dá um pouco de luz, ele está muito agradecido por isso, e tem a esperança de que o olho não esteja destruído, que talvez graças a outra operação lhe possam tirar as escamas, e a luz plena possa entrar a plenos raios no entenebrecido globo ocular. Oh alma, que logo passará para o outro mundo, que está tão segura de perder-se a menos que tenha a luz divina, que está tão segura de ser lançada às trevas exteriores onde há pranto, gritos e rugir de dentes, você deve estar agradecida por uma fagulha de luz celestial; valorize-a, entesoure-a, tenha ansiedade a respeito dela para que possa chegar a algo mais, e quem sabe se o Senhor irá abençoá-la com a plenitude de Sua verdade?

Quando a grande ponte sobre as cataratas do Niágara foi construída, a dificuldade consistia em passar a primeira corda através da ampla corrente. Eu li que puderam fazer isso lançando uma pipa ao ar e a deixando-a cair na ribeira oposta. A pipa transportou um pedaço de laço, e o laço ia atado a uma corda, e tal corda ia atada com um cabo, e o cabo ia atado com outro cabo mais forte. E pouco a pouco chegaram de um lado a outro do Niágara e concluíram a construção da ponte. De igual maneira, Deus trabalha gradualmente. É um belo espetáculo ver um pouco de interesse nos corações humanos a respeito das coisas divinas, ver algum pequeno anseio por Cristo, algum fraco desejo de saber quem Ele é e o que Ele é, e se está disponível para o caso do pecador. Essa fome conduzirá a um anseio veemente de mais coisas, e esse anseio veemente será seguido por outro, até que, por fim, a alma encontrará seu Senhor e ficará satisfeita Nele. Portanto, no caso dos magos, havia evidência de um interesse e de certa medida de profissão de fé, como espero que exista em alguns dos presentes aqui.

Alem disso, no caso dos magos, vemos uma admitida ignorância. Os estudiosos nunca desdenham fazer perguntas, porque são homens sábios; sendo assim sábios perguntaram: “Onde ele está?”. Pessoas que tomaram o nome e grau de sábios, e são consideradas nessa categoria, algumas vezes pensam que é abaixo de seu nível confessar algum grau de ignorância; porem, aqueles que são realmente sábios não pensam assim; estão demasiadamente bem instruídos para ignorarem sua própria ignorância. Muitos homens poderiam ser sábios somente com estarem conscientes de que eram néscios. O conhecimento de nossa ignorância é a escada da porta do templo do conhecimento. Alguns pensam que sabem, e por isso nunca chegam a conhecer. De terem conhecido que estavam cegos, logo teriam sido conduzidos a ver, porem, como diziam: “Vemos”, sua cegueira permanece.


Amado ouvinte, vocês precisam encontrar um Salvador? Gostaria de bom grado que todos seus pecados fossem apagados? Gostaria de ser reconciliado com Deus por meio de Jesus Cristo? Então, que não lhe dê vergonha perguntar, admita que não sabe ou conhece. Como poderia saber se o céu não lhe ensinasse? Como poderia alcançar o conhecimento das coisas divinas a menos que lhe seja dado de cima? Todos nós temos de ser instruídos pelo Espírito Santo, ou seremos néscios para sempre. Saber que devemos ser instruídos pelo Espírito Santo é umas das primeiras lições que o próprio Espírito Santo nos ensina. Admita que você necessita de um guia, e pergunte diligentemente para que ache um. Clame a Deus pedindo-lhe que o guie, e Ele será seu instrutor. Não seja altivo nem autossuficiente. Peça pela luz celestial, e você a receberá; por acaso não é melhor que peça a Deus que lhe ensine em vez de confiar em sua própria razão desvalida? Dobra, então, seu joelho, e confessa sua propensão ao erro, e diga: “Ensine-me Tu o que não sei”.