15 de julho de 2015





Alexander Duff
Missionário e Mestre Cristão na Índia

(1806-1878) foi um missionário presbiteriano escocês enviado à Índia. Ele foi o primeiro missionário enviado além-mar pela Igreja da Escócia e que se notabilizou porque, na evangelização de hindus e muçulmanos,
criou uma estratégia que, mesmo tendo sido mal compreendida inicialmente, terminou sendo popularizada por missionários de todo o mundo.

O missionário escocês era um homem que havia se preparado teológica e secularmente para servir a Deus. Era piedoso e um exímio ensinador. Porém, ao chegar à Índia em 1830, encontrou dificuldades para ganhar vidas para Cristo.
As comunidades hindus e muçulmanas eram, à época, extremamente fechadas e Duff não sabia como penetrá-las com a mensagem do Evangelho. Até que, depois de perceber que as crianças indianas não estavam recebendo ensino adequado nas escolas Bengali, ele orou a Deus e sentiu da parte do Senhor a aprovação para criar uma escola diferente para hindus e mulçumanos na Índia. Nela, eles teriam educação de qualidade, aprendendo as ciências de forma a não deixar a desejar a nenhuma instituição de ensino européia, e também seriam apresentados a princípios da fé cristã.

A escola de Duff começou com cinco alunos, mas chegou rapidamente a 300. Ela atraía principalmente pais da elite indiana desejosos a dar a seus filhos uma educação de melhor qualidade, mas sem precisar enviá-los à Europa. A educação era em inglês. Na escola, os alunos primeiro aprendiam o inglês para depois estudarem as demais matérias.

Apesar do sucesso da instituição, que influenciou o governo indiano a mudar a sua política educacional no país, investindo em um ensino de melhor qualidade, Duff chegou a ser criticado por seus irmãos em Cristo na Escócia porque sua estratégia de envagelização por meio de uma instituição de ensino secular dera poucos resultados.
Em três anos de fundação da escola, só quatro indianos haviam se convertido. Mas, Duff prosseguiu. Sua visão era de que suas escolas (em pouco tempo, abriria outras) acabariam minando a resistência entre os hindus e muçulmanos aos ocidentais e, assim à mensagem do Evangelho.

Depois de anos de ensino e milhares de alunos, o missionário voltou à Escócia deixando na Índia uma igreja com 33 membros. Aos olhos humanos, foi considerado, por muitos, ineficiente. Entretanto, os anos seguintes provariam o contrário.
Depois da morte de Duff, alguns de seus alunos, por serem de alta classe social, pessoas de grande influência na sociedade indiana, começaram a ganhar muitas vidas para Cristo. Assim, o Evangelho começou a se propagar na Índia, conquistando milhares de vidas, e o aparente fracasso se mostrou, mais à frente, uma vitória. Tanto que outros missionários passaram a imitá-lo mundo afora, acrescentando à sua atividade evangelizadora a fundação de instituições de ensino nos países onde eram enviados para evangelizar.

O ardor de Alexandre Duff

O missionário escocês na índia, Alexander Duff, regressou à sua pátria para morrer lá, depois de uma árdua luta
. Em uma reunião em sua igreja, pregava, e apelava aos seus patrícios que se apresentassem para o prosseguimento da obra. Ninguém atendia ao seu apelo. Insistia. Nada. Empolgado, desmaiou e foi levado para fora. 0 médico que o atendeu examinava o seu coração, quando repentinamente, Alexandre abriu os olhos, dizendo:
- Eu preciso voltar ao púlpito. Preciso continuar o apelo.
- Fique calmo - aconselhou o médico. O seu coração está muito fraco.
Porém, a despeito dos protestos do médico, o idoso guerreiro esforçou-se para pôr-se de pé, e, com o médico de um lado e o presidente da assembléia do outro, subiu novamente ao púlpito. Nesse instante a assembléia inteira se ergueu num grande aplauso, para lhe prestar homenagem. Quando todos se assentaram outra vez, ele deu prosseguimento ao seu apelo, e disse:
Mas o velho missionário não se conformou. Voltou ao púlpito e continuou o apelo:
- Quando a rainha Vitória convidou voluntários, centenas de jovens se apresentaram. Mas quando o rei Jesus chama, ninguém quer atender. Será que a Escócia não tem mais filhos para atender ao apelo da Índia? - frisou ele.
Esperou um pouco em silêncio e não houve resposta. Depois disse:
Muito bem - concluiu ele. - Mesmo sendo idoso e estando muito cansado, voltarei para a Índia. Já não poderei pregar como pregava na minha mocidade. Já não terei forças para subir montanhas, cruzar vales, atravessar rios e chegar às cidades e aldeias que necessitam ouvir a mensagem de salvação do nosso Senhor Jesus Cristo. Mas poderei deitar-me às margens do rio Ganges, e morrer ali. Dessa maneira poderei fazer com que o povo da Índia entenda que pelo menos houve um homem da Escócia que os amou o bastante para dar a sua vida por eles.


Quando o veterano soldado de Cristo deixou o púlpito, o silêncio foi quebrado por uma multidão de jovens que se apresentaram: Naquele momento, jovens que o ouviam silenciosamente no meio da assembléia, com os olhos marejados de lágrimas, ergueram-se resolutamente e exclamaram

- Eu vou! Eu vou! Eu vou!

Depois do falecimento de Duff, muitos daqueles jovens foram para a Índia, dedicando suas vidas à obra missionária.


"Rogai pois ao Senhor da seara que mande ceifeiros Para a sua seara" (Mt 9.38).
Tempos depois, aquele idoso guerreiro descansou no Senhor, e aqueles jovens, já formados, seguiram para a necessitada Índia, onde trabalharam como substitutos do pastor Alexandre Duff, anunciando o Senhor Jesus Cristo como única esperança de salvação eterna.

Prezado amigo leitor, você também está disposto a ir? Deus tem falado com você no mais profundo do seu coração? Você tem ouvindo Sua chamada? Se está disposto a responder-Lhe: "Eis-me aqui Senhor, envia-me a mim", então você irá. Se já se colocou nas mãos dele, e tem feito a sua parte preparando-se para esse grande desafio, então ele providenciará os meios para você ir.
Mas se você já concluiu que não pode ir pessoalmente, que tal mandar um substituto? A decisão cabe a você.
Por que alguém haveria de ouvir o Evangelho duas vezes ou mais, enquanto outras pessoas não o ouviram ainda uma única vez?