31 de julho de 2015

Griffith Jones - 48 anos pregando sempre com o poder do Espírito

O pais de Gales sempre mostrou um respeito maior do que as outras nações para as Igrejas e as pessoas eclesiásticas".
Assim escreveu Giraldus Cambrensis, sobre o povo do País de Gales. Outros escritores têm aprovado esta opinião. Talvez no próprio temperamento do povo galês reside a razão do País de Gales ser chamado de “ a terra dos avivamentos” ("The Land of Revivals"). 


Efeito de longo alcance foram os avivamentos religiosos no País de Gales durante o século XVIII.
 Um ex-bispo de St. Asaph descreve as condições então vigentes no País de Gales:
“O isolamento levou a uma estagnação intelectual do país,  mas o mais doloroso foi o fato de o País de Gales no início do século  18  ver o seu povo descer a altos níveis de ignorância e imoralidade nas classes mais baixas . "
 
Havia pobreza entre o clero; igrejas e as casas pastorais foram negligenciadas, alguns bispos se mostraram indignos de seu cargo, enquanto que entre os outros clérigos
havia demasiada frequência de um espírito de mundanismo e apatia espiritual, sendo que os cultos muitas vezes e eram vazios e formais. 
 
Mas, como Deus sempre preserva aqueles que não dobram seus joelhos a Baal, havia alguns bispos que eram exemplos de fidelidade a toda a Igreja em geral.  "Eram homens sóbrios e de vidas exemplares em todos os campos do bom viver.”

Não obstante, na maioria dentre as pessoas de lá prevalecia "uma ignorância e uma indiferença para com as coisas espirituais, até mesmo um ateísmo que tinha contaminado famílias inteiras para várias gerações, de modo que os camponeses não freqüentavam mais a  Igreja, e nenhum tipo de reunião religiosa ".


Foi nesse cenário que surgiu uma grande estrela no céu espiritual de Gales, seu nome era GRIFFITH JONES (1684-1761), Reitor da Llanddowror, Carmarthenshire.  Ele pode ser mais precisamente descrito como "pregador e professor" e não como um "Reavivalista".

O filho de um fazendeiro crente, que a semelhança de Davi, cuidava das ovelhas de seus pai. "Um dia, quando ele se ajoelhou para orar no canto de um campo, ele caiu em um transe e viu o Senhor Jesus, que disse a ele: 'Meu filho, eu quero que você seja uma testemunha para mim no mundo ". Isto teve uma influência profunda sobre ele, e ao longo de sua vida, ele nunca esqueceu essa experiência. "
 

Foi ordenado em 1708 e em 1716 tornou-se reitor da Llanddowror. Desde o início, era evidente que ele era um homem consciente de sua comissão divinaele pregou o Evangelho com sinceridade e sem medo. As pessoas logo se reuniram a sua igreja e sua fama se espalhou. Recebeu convites para pregar em outros lugares, ele viajou
em todo País de Gales, muitas vezes entregando seu sermão ao ar livre pois na  igreja não pôdia conter as multidões ansiosas. Desta forma, multidões foram trazidos sob o som do Evangelho, de forma clara e direta.

 Um contemporâneo escreveu: "Cristo era tudo para ele, e o seu maior prazer era proclamar as insondáveis riquezas de Cristo, seu Redentor”


Ele pregou a fé e o arrependimento toda a sua vida; ele era extenuante e enfático ao pregar a necessidade absoluta do novo nascimento e da santidade no viver cristão, tanto no coração e na vida; e, assim, ele era "uma ardente e brilhante luz a brilhar nos céus escuros do Pais de Gales"

 
Poderoso e eficaz era seu ministério era naqueles dias negros, mas ele logo percebeu que algo mais do que a pregação era necessário. 

Entre 1699 e 1737 o governo tinha fundado noventa e cinco escolas no País de Gales, e havia vinte e nove outras escolas  particulares. No entanto, as pessoas eram em sua maior parte, bastante analfabetas. 
Chegaram a ser distribuídas 30000 bíblias, tanto em galês como em ingles, mas por causa do analfabetismo o esforço evangelístico foi de pouca utilidade. 
Griffith Jones entendeu que as pessoas deveriam ser ensinados a ler, e ele montou a primeira escola em sua própria paróquia de Llanddowror em 1730, e no prazo de nove anos setenta e uma escolas tinha sido estabelecido por ele no Norte e Sul de Wales.


A linguagem utilizada era o galês. As escolas foram definitivamente o braço da Igreja da Inglaterra, usando como seu único livro-texto a  Bíblia e o catecismo da Igreja,  dando uma educação  religiosa forte a todo o povo,com base nesses "livros-texto", abraçando as doutrinas fundamentais da fé cristã.

O imenso custo de manutenção dessas escolas vinham de generosas doações de simpatizantes, entre os quais Sir John Phillips de Picton Castle, Pembrokeshire, cuja irmã, Margaret, se tornou esposa de Griffith Jones em 1720, e uma senhora rica, Senhora Bridget Bevan de Laugharne, Carmarthenshire. 
 
 Os professores eram todos clérigos, treinados por Griffith Jones em Llanddowror. A escola permanecia até cinco meses em uma paróquia, e depois mudava-se para outra paróquia, daí o título " escolas circulantes ". Entre 1737 e 1761 (quando Griffith Jones morreu) não menos de 3.495 escolas foram abertas e 158.237 alunos passaram por eles, e este número não inclui a adultos não registradas que assistiram à noite. De acordo com a estimativa de Griffith Jones estes últimos contados duas vezes ou três vezes mais do que os alunos de dia, o que dá um número de quase 500.000 pessoas alfabetizadas, sem dinheiro público, com ofertas dos alunos e simpatizantes e isso em 1730.
 ISSO É APENAS UMA PROVA DO QUE A FÉ DE UM SÓ HOMEM NO DEUS TODO PODEROSSO PODE FAZER.
 

Não só foi Griffith Jones um pioneiro da educação moderna no País de Gales, mas ele fez muito para que o país se tornasse  uma nação que conhecesse a palavra de Deus e isso preparou o caminho para evangelistas posteriores e
reavivalistas que vieram depois dele para o desenvolvimento do seu trabalho. 

Seus principais livros-texto eram a Bíblia e o Livro de Oração Comum da igreja da Inglaterra parecia muito natural estudar esses livros sagrados em um domingo do que em um dia de semana e assim também  Começou o "Movimento da Escola Dominical" no País de Gales, que plantou as bases do "renascimento" e do avivamento no País de Gales e do avivamento metodista galês. "

Em 1.739 George Whitefield era o gênio que presidia todo o movimento em Wales. Os líderes neste reavivamento eram Daniel Rowlands, Howell Harris, William Williams, sendo DANIEL ROWLANDS (1713-1790),  o mais importante dos três.
 
Rowland foi o maior pregador que o País de  Gales conheceu. Ele foi um dos gigantes espirituais do século XVIII. . . e nenhum homem daquela época parece ter pregado com tal poder inconfundível do Espírito Santo  como Rowlands ".

Em 1735 ele se converteu ao ouvir Griffith Jones pregar. Ele foi mudado completamente, e tornou-se um poderoso pregador; multidões de todas as partes do País de Gales fizeram o seu caminho para Llangeitho para ouvi-lo pregar, e muitos receberam uma bênção. Pessoas viajavam cinqüenta ou sessenta milhas para ouvi-lo e nos domingos era comum se reunirem  2500 pessoas em seus cultos. A carga de "emocionalismo" não pode explicar os efeitos do ministério de Rowlands, pois sua influência perdurou ao longo de muitos de seus ouvintes em um período de 48 anos.