12 de julho de 2015

Anthony Norris Groves Pioneiro em missões para os muçulmanos

Anthony Norris Groves

 “Eu preferiria ter o Amor que pode amar em meio a mil defeitos, ao  zelo que suporta apenas um”.

Quando questionado se há princípios que possam unir crentes em adoração, mesmo quando eles têm diferentes opiniões a respeito de algumas coisas, ele respondia: “sim, existem. Fomos chamados a não saber nada entre nossos companheiros cristãos, a não ser dois fatos: eles pertencem a Cristo? Cristo os recebeu? Então nós podemos recebê-los, para a glória de Deus”.


Nascido em 1795, e tendo estudado Medicina e Odontologia em Londres, Groves tornou-se o primeiro missionário enviado pelo recente movimento dos Irmãos. Seus escritos e seu exemplo motivaram grandemente James Hudson Taylor e outros missionários do século XIX.
Por 10 anos, sua esposa Mary foi contra seu desejo missionário. Mas por meio da doença, Deus confirmou a ela que a família iria para além-mar.
MISSIONÁRIO PIONEIRO
Em 1829, a família viajou por terra, quase seis meses, de Londres a Bagdá. Groves inaugurou uma escola, estudou árabe e praticou medicina. Mas uma peste assoladora tirou a vida de sua esposa, de sua filhinha e quase causou sua morte também.
Sozinho, com três crianças pequenas em uma cidade hostil, Groves escreveu: “. É um momento terrível a perspectiva de ir deixando a pequena família em tal país, nestas condições. Mas triunfa a fé que tem minha querida esposa. Hoje ela me falou: ‘a diferença entre um filho de Deus e um mundano não está na morte, mas na esperança. Enquanto aquele tem Jesus, este está sem esperança e sem Deus no mundo’”. Pouco tempo depois, Mary Groves foi para a presença de Jesus.
Mesmo enquanto lamentava a morte de Mary, Groves continuava a falar de Cristo e pouco tempo depois disso sentiu o chamado para a Índia.
Durante muitos anos na Índia, onde se sustentou como dentista, Groves ensinou líderes de igrejas sobre a volta de Cristo, trabalhou pela unificação de todo povo cristão e recomendou que os missionários vivessem modestamente, ao nível do povo nativo. Nestes assuntos, ele foi um homem à frente de sua época. Como resultado da influência de Groves, centenas de congregações locais foram iniciadas por evangelistas da Índia e missionários europeus.
Em maio de 1853, aos 58 anos de idade, Groves morreu em Bristol, na casa de George Müller, seu cunhado. Ele estava desesperadamente doente e com uma dor torturante, vinda do adiantado câncer estomacal dos seus últimos dias, mas as pessoas diziam que seu quarto era como um pequeno céu. As últimas palavras, na terra, desse estudante literário, dentista, cirurgião prático e missionário foram: “Precioso Jesus!”.
Jesus havia preenchido a vida de Groves. Seu filho Henry escreveu que a principal característica da vida de seu pai era a de um espírito generoso, de “devoção a Deus, que sua vida igualmente ilustrou”.
DEVOÇÃO E FÉ
Groves teve o desejo de cumprir toda vontade de Deus logo que ela lhe foi revelada. Ele praticou a abnegação bíblica, levando a cruz, abandonando tudo e seguindo o Senhor. Seu tema era: trabalhar duro, gastar pouco, dar muito ou tudo para Cristo. Muitos o rejeitaram por estas opiniões radicais, mas outros Irmãos compreenderam o seu espírito e usaram suas riquezas para o crescimento do reino de Deus.
Groves estava convencido de que Deus sustentaria todos aqueles que confiassem nEle. Tornou-se bastante conhecido que ele confiaria somente em Deus para sua viagem a Bagdá. As pessoas em Londres conversavam sobre sua fé.
A UNIDADE É CRUCIAL
O maior interesse de Groves era a experiência e a prática dos cristãos unidos em Cristo. Ele sentia que os princípios originais dos Irmãos deveriam ajudá-los a apreciar a união e a comunhão entre todos que possuem a vida comum da família de Deus.

Ele escreveu que “só existe um caminho de união: este de irmãos e irmãs com o seu Senhor e Pai, permanecendo juntos em comunhão pelo Espírito. Quando esses grandes princípios são aceitos, todas outras coisas – tal como sistema de regras de igreja – estão, acredito, totalmente subordinados”.
Ele acreditava que “nós precisamos de poder para manifestar nossa força espiritual para suportar as fraquezas dos outros, ao invés de  descobrir faltas e falhas, tanto em pessoas como em sistemas”. E de Bagdá escreveu: “eu preferiria ter o Amor que pode amar em meio a mil defeitos, ao o zelo que suporta apenas um”.
Groves frequentemente reunia-se em adoração com congregações que não seguiam suas opiniões sobre a igreja. Ele defendia isto declarando: “muita vezes louvo a Deus por permitir-me sentir que pertenço a todos que pertencem a Ele. Não tenho uma chamada que me obriga a separar-me de alguma casa de fé [igreja local], por causa dos males que possam existir entre aqueles nos quais o Senhor habita e caminha. Nem tenho eu qualquer proibição contra fazer parte de qualquer uma das coisas, onde minha própria alma é edificada. Eu nunca me senti separado de um por estar unido a outro”.
ORDEM DA IGREJA
Ao mesmo tempo, Groves mantinha fortes opiniões sobre a igreja. “Por mim mesmo”, ele escreveu, “não quero permanentemente me unir à igreja que não tenha alguma regra constituída. Tenho visto o suficiente deste esquema – cada um faz o que é certo a seus próprios olhos, dizendo que foi ordem do Espírito – para estar certo de que isto é uma ilusão”.
Apesar de ter apoiado anciãos na igreja, Groves rejeitou até o fim a posição de clérigos ordenados dentro dela. Ele sustentou que a coisa importante é manter as suas “relações de corpo entre si, e não negar seu Cabeça e Pai comum, nem impedir o poder do Espírito”.
Em seguida acrescentou: “eu aprovo e valorizo grandemente um ministério fixo. Mas sempre protestarei contra o exclusivo; em especial contra aquela liberdade hipócrita, que em palavras admite liberdade, mas na realidade a nega”. Neste conciso depoimento. Groves propôs à igreja o uso de um professor ou professores aprovados, contanto que esta pessoa, ou pessoas, não tentasse comandar. Ele também criticou as “reuniões abertas”, que eram dominadas pela autonomeação de anciãos ou líderes.
Ele estava convencido de que a igreja local é tão competente agora para saber quem o Espírito Santo tem qualificado para ser um ministro da Palavra, como foi o nos dias dos apóstolos. Eles podiam saber quem o Espírito havia qualificado, acreditava ele, pela confrontação da palavra falada com a Palavra escrita e pela edificação que experimentavam em suas almas. Ele cria que “um ministério declarado e reconhecido é essencial à conveniência e à ordem espiritual da igreja”.
A PRIORIDADE DA GRAÇA
Groves preocupou-se quando percebeu que, entre os Irmãos ingleses, a base original de união fraternal na verdade de Jesus havia sido mudada para um testemunho unido contra todos que se diferenciavam deles. Ele estava convencido de que a vida em Jesus Cristo, e não a luz sobre detalhes doutrinários, uniria os crentes. Três anos antes de sua morte escreveu: “sinto que o Senhor abençoará toda a grandeza que é como o Seu próprio coração, mas a estreiteza sectária, que é a glória de muitos, Ele aborrece”.
Com respeito a pessoas que escreviam autoritariamente sobre assuntos não definidos claramente na Bíblia [especificamente, pontos delicados relacionados à humanidade de Cristo], Groves exclamou: “Realmente, homens parecem loucos intrometendo-se naquilo que não é revelado. Visto que eles são mais sábios do que aquilo que está escrito [nas Escrituras], não admiro se Senhor permitir que lutem e discutam uns com os outros”.
Outra vez, sobre o campo missionário, ele escreveu: “na Índia não há portas fechadas ao testemunho de Jesus. Mas eu acredito que sempre as haverá para as opiniões fantásticas ou exclusivas do homem e para pontos abstratos da doutrina, quer relacionadas à profecia, quer relacionadas à constituição da igreja. Nesses dois assuntos, eu acredito que muitos têm perdido o rumo e a mente do Senhor. Creio que nós nunca nos diferenciaremos do conceito geral universal [amplamente aceito] da unidade em Cristo, nos quais nossa felicidade e utilidade têm se mantido associadas por tantos anos”.
Quando estava doente, e a morte apareceu por perto, Groves instruiu os obreiros cristãos indianos a “não colocarem muita ênfase sobre meras questões de batismo, sobre a volta do Senhor, ou sobre o ministério não remunerado. Eles todos têm seu lugar. Mas o assunto principal é Cristo e Sua crucificação – a graça, a plenitude e a liberdade do evangelho”.
Muitos escritores e historiadores do século 19 consideraram Anthony Norris Groves como o real fundador do movimento dos Irmãos. E. W. Blair Neatby julgou que “a simplicidade da sua fé, a profundidade de sua humildade, a energia e a pureza de seu zelo, o fervor e a extensão de sua bondade, têm sido raramente igualadas na Igreja de Deus”.
http://www.verdade-viva.net/anthony-norris-groves/