4 de julho de 2015

Thomas Chalmers - O poder do AMOR










http://www.christianitytoday.com/global/img/spacer.gifThomas Chalmers


http://www.christianitytoday.com/global/images/spacer.gif
Defensor implacável  dos pobres
"Qual é o método mais eficaz de tornar o cristianismo conhecido do que o método de chegar a cada porta e entrar em contato com todas as famílias?"
Chalmers nasceu em Anstruther, Escócia, Em 1802, ele se tornou ministro em Kilmany, onde teve mais interesse na vida intelectual do que na sua paróquia: em um panfleto 1805, ele escreveu que um ministro deve ser capaz de completar todas as suas tarefas em dois dias e passar o resto de sua semana da  maneira que ele desejava.








Mas o fracasso em estabelecer fama literária, combinada com um ataque com tuberculose, empurrou Chalmers em crise espiritual e, em seguida a sua conversão. Ele então começou a se associar com os evangélicos e tornou-se zeloso para missões, visitas domiciliares, e alívio dos pobres.
Sua reputação como um pregador também cresceu. Aos 35 anos, ele foi convidado para se tornar o ministro em uma paróquia wecaptionhy Glasgow, onde sua eloquência empurrou-o para a ribalta nacional. O que acendeu sua paixão em Glasgow foi ver o povo devastado pela sujeira, imundície e exploração das industrias e a condição de necessidade dos seus paroquianos pobres.

Na sua próxima paróquia, St. John, a paróquia mais pobre em Glasgow, foi dado rédea livre para experimentar seus planos para fazer da paróquia o centro de assistência espiritual, educação e ajuda aos pobres. Ele  dividiu a paróquia de 10.000 membros em áreas administráveis ​​e nomeou diáconos e presbíteros para visitar as famílias; ele rejeitou a ajuda do governo e promoveu a auto-ajuda e partilha comunitária como as maneiras de ajudar os pobres.   Chalmers foi duramente criticado como irrealista e muitos argumentaram que, em última instância prejudicou os pobres, mas Chalmers afirmou que sua experiência foi um sucesso.

Falta de apoio
Em 1823, ele deixou o ministério paroquial para a cadeira de filosofia moral na Universidade de St. Andrews. Ele tornou-se cada vez mais preocupado com a auto-interesse individualista promovido por economistas e políticos. Ele acreditava que o único remédio para os males da industrialização e sua pobreza atendente, o analfabetismo e a ameaça de revolução era um sistema paroquial, onde as vidas dos pobres e poderia ser ministrado de forma eficaz.
 




 Thomas Chalmers (1780-1847) foi um dos homens mais notáveis do seu tempo - um matemático, teólogo evangélico, economista, clérigo, político e reformador social, tudo em um. Seu sermão mais famoso foi publicado sob o controverso título: "O Poder Expulsivo de uma Nova Afeição". O primeiro amor de nossos corações centrado no mundo, só pode ser expulso por uma nova afeição – por Deus e de Deus. O amor do mundo e o amor do Pai não podem viver juntos no mesmo coração. Mas o amor do mundo só pode ser expulso pelo amor do Pai. Daí o título do sermão de Chalmers.

A verdadeira vida cristã, santa e correta, exige, em sua dinâmica, uma nova afeição para com o Pai.
 
Essa nova afeição é parte do que William Cowper chamou de "a bem-aventurança que conheci no momento em que vi o Senhor" - um amor pelo sagrado que parece golpear mortalmente nossas afeições carnais no início da vida cristã. Logo, porém, descobrimos que, apesar de termos morrido para o pecado em Cristo, o pecado não morreu em nós, de modo algum. Às vezes, sua influência contínua nos surpreende, e parece até mesmo nos submergir em algumas de suas manifestações.
 
Descobrimos que nossas "novas afeições" para com as coisas espirituais devem ser renovadas constantemente em por toda a nossa peregrinação. Se perdermos o primeiro amor, nos encontraremos em sério perigo espiritual.
 

Às vezes, cometemos o erro de substituí-lo por outras coisas. Entre as favoritas, aqui, estão as atividades e a aprendizagem. Nos tornamos ativos no serviço de Deus, eclesiasticamente nos tornamos ativos evangelisticamente e no processo, medimos a força espiritual em termos da crescente influência; ou nos tornamos ativos socialmente em campanhas políticas e moral, medindo o crescimento em termos de participação. Alternativamente, reconhecemos o fascínio intelectual e o desafio do evangelho, e nos dedicamos a entendê-lo, talvez por ele mesmo, talvez para comunicá-lo aos outros. Medimos nossa vitalidade espiritual em termos da compreensão, ou em termos da influência que ele nos dá sobre os outros. Mas nenhuma posição, influência, ou desenvolvimento pode expulsar o amor pelo mundo dos nossos corações. Podem ser, na verdade, manifestações desse mesmo amor.
 
Outros de nós cometemos o erro de substituir as amorosas afeições pelo pai por regras de devoção: "Não manuseie! Não prove! Não toque!" Esses métodos têm sobre eles um ar de santidade, mas na verdade não têm poder para restringir o amor pelo mundo. A raiz do problema não está na minha mesa, ou no meu bairro, mas no meu coração. A mundanidade ainda não foi expulsa.

É muito possível, nestas diferentes formas, ter a aparência de genuína devoção (quão sutis são os nossos corações!) sem o seu poder. O amor pelo mundo não terá sido expurgado, mas simplesmente afastado. Apenas um novo amor é suficiente para expulsar o antigo amor. Apenas o amor por Cristo, com tudo o que ele envolve, pode colocar para fora o amor a este mundo. Somente aqueles que anseiam pela vinda de Cristo serão libertados da deserção ‘estilo Demas’, causada pelo amor a este mundo.
 
Como podemos recuperar a nova afeição por Cristo e por seu reino que tão poderosamente impactou nossa permanente mundanidade, e na qual crucificamos a carne com suas paixões?

O que foi que, de qualquer modo, criou esse primeiro amor? Você se lembra? Foi a nossa descoberta da graça de Cristo no reconhecimento de nosso próprio pecado. Não somos naturalmente capazes de amar a Deus por ele mesmo; na verdade, o odiamos. Mas ao descobrirmos isso sobre nós mesmos, e ao tomarmos conhecimento do amor sobrenatural de Deus por nós, o amor pelo Pai nasceu. Em muito perdoados, muito amamos. Nos regozijamos na esperança da glória, no sofrimento, até mesmo no próprio Deus. Esta nova afeição parecia primeiro superar o nosso mundanismo, em seguida, dominá-lo. As realidades espirituais - Cristo, a graça, as Escrituras, oração, comunhão, serviço, viver para a glória de Deus - preencheram a nossa visão e nos pareceram tão grandes, tão desejáveis, que as demais coisas, por comparação, pareceram encolher em tamanho, se tornando insípidas ao paladar.
 
A forma pela qual mantemos o "poder expulsivo de uma nova afeição" é a mesma pela qual o descobrimos. Somente quando a graça ainda é "surpreendente" para nós é que poder reter seu poder em nós. Apenas quando mantemos uma percepção de nossa própria e profunda pecaminosidade é que podemos reter uma percepção da percepção da benevolência da graça.

Muitos de nós partilhamos das tristes perguntas de Cowper: "Onde está a bem-aventurança que experimentei quando vi o Senhor pela primeira vez? Onde está a visão de Jesus e Sua palavra que significavam refrigério para a alma?” Lembremo-nos da altura de onde caímos, arrependamo-nos e retornemos às primeiras obras. Seria triste se uma profunda análise de nosso cristianismo mostrasse a ausência de uma percepção do pecado e da graça. Isto sugeriria que pouco experimentamos do poder expulsivo de uma nova afeição, se é que o experimentamos. Mas não há vida reta que dure sem ele.
 
Sinclair B. Ferguson