Marcadores

Igrejas e Ministérios (134) GRANDES PREGADORES E AVIVALISTAS (40) HERÓIS DE NOSSA ÉPOCA (24) MISSIONÁRIOS QUE MUDARAM NAÇÕES (23) MULHERES DE FÉ (23) MESTRES DA IGREJA (20) EVANGELISTAS E MISSIONÁRIOS (17) GIGANTES DA FÉ (17) PRESBITERIANOS INESQUECÍVEIS (17) BATISTAS FAMOSOS (13) ESCRITORES E PENSADORES (12) REFORMADORES DA IGREJA (10) ANTIGOS METODISTAS (9) FILMES QUE TOCAM O CORAÇÃO (8) O LENDÁRIO EXÉRCITO DA SALVAÇÃO (7) ENTREVISTAS " FABULOSAS" (6) Esses Cristãos Extraordinários (6) HOMENS DE ORAÇÃO (6) MISSÕES (6) OS PURITANOS (6) PIONEIROS NO BRASIL (6) 15 COISAS QUE PRECISO SABER EM TEMPOS DE GUERRA (5) A B SIMPSON (5) LUTERANOS RENOMADOS (5) O Espírito Santo (5) A inabalável Corrie Ten Boom (4) EVANGELISTAS NOTÁVEIS (4) PASTORES E PROFETAS (4) 300 Profecias sobre o Messias de Israel (3) D L MOODY ESTUDOS E SERMÕES (3) O QUE PREGAVAM OS AVIVALISTAS INGLESES DO PASSADO? (3) “Os Deveres Mútuos dos Maridos e Esposas" (3) ENFIM LIVRE Martin Luther King (2) John Wesley usando o dinheiro para nos abençoar (2) Katharina Von Bora Lutero (2) Peter Marshall - Capelão do Senado Americano (2) Robert Hall Glover Pregando sobre Intercessão Missionária (2) SPURGEON (2) Bill Machesney O VERDADEIRO FILHO DO REI (1) Bud Robinson O MONTE MORIAH Lugar de sacrifício (1) Charles Finney (1) J WILBUR CHAPMAN (1) JOHN CENNICK Evangelista Morávio (1) Patricia St. John (1) Ralph Emerson Filósofo Cristão (1) Robert Lewis Dabney (1) Robert Murray M'Cheyne (1) Robert Pearsall Smith (1)

15 de fevereiro de 2013

JOHN HUSS




JOHN HUSS
John Hus nasceu por volta do ano 1370, na Boêmia - região que, no mapa geopolítico mundial, é ocupada, hoje, pela República Tcheca, país do Leste Europeu. Em 1400, foi ordenado sacerdote e, desde o início de seu ministério, quando assumiu o púlpito da Capela de Belém, em Praga, tomou-se um estorvo, um incômodo para alguns de seus colegas. Pregava insistentemente contra os privilégios do clero, e defendia a necessidade urgente de uma reforma religiosa. A eloqüência de suas pregações fez com que, rapidamente, boa parte da população o seguisse.

A nobreza também se rendeu ao seu discurso reformista e, há muito tempo, tentava encontrar uma forma de limitar o poder eclesiástico. Calcula-se que, na época, metade do território nacional boêmio pertencia à Igreja Católica, enquanto à Coroa cabia apenas a sexta parte. No mesmo período, com o apoio das autoridades, Hus traduziu o Novo Testamento para a língua boêmia e tornou-se um simpatizante das obras de John Wycliff (1329-1384), um reformador inglês.



Impedido de pregar - Influenciado por algumas das doutrinas wiclifistas, Hus pregava, dentre outros pontos, a autoridade suprema da Bíblia e a predestinação - doutrinas negadas, até hoje, pela Igreja Católica. Era a época em que existiam três papas comandando a Igreja, e ninguém sabia ao certo quem era o legítimo. Feito reitor da Universidade de Praga, Hus apoiava Alexandre V, eleito no Concílio de Pisa. No entanto, o arcebispo local era fiel a um outro papa - Gregório XII - e, por causa da disputa política, o arcebispo fez com que Hus fosse impedido de pregar.



Hus - que significa ganso na língua boêmia - não obedeceu à proibição e, por isso, foi excomungado em 1411. Entretanto, seu pior ato de insubordinação, e o que gerou sua condenação à morte, foi a crítica feroz a uma atitude do terceiro papa, João XXIII. Em guerra contra o rei de Nápoles, aquele papa decidiu financiar o conflito com a venda de indulgências (remissão de pecados mediante pagamento à Igreja com determinada quantia em dinheiro). Os vendedores chegaram à Boêmia, tentando usar todo tipo de método para persuadir seus "fregueses". Hus, imediatamente, protestou e afirmou que só Deus poderia conceder indulgências e ninguém jamais poderia vender algo que procede somente de Deus.

Seu discurso movimentou o país e até passeatas de protesto foram organizadas. Hus foi excomungado pela segunda vez, e mudou-se de Praga para o Sul da Boêmia, a pedido do imperador. Ele permaneceu lá, até que, em 1414, ficou sabendo da realização do concílio da igreja católico-romana de Constança, na Alemanha. O evento, que contaria com a presença de vários reformadores de renome, prometia inaugurar uma nova era na vida da Igreja, pois seria decidido quem era o papa legítimo. Hus foi convidado a expor seu caso e aceitou comparecer. Poucos dias após sua chegada a Constança, foi convidado pelo Papa João XXIII para uma assembléia composta apenas de cardeais. Hus insistiu que estava ali para defender suas idéias diante do concílio e não em uma reunião tão restrita. Antes não tivesse ido.

O boêmio saiu daquela assembléia acusado de heresia e, a partir de então, passou a ser tratado como prisioneiro. Em junho de 1415, finalmente foi julgado pelo concilio. Por aquela época, João XXIII já fora deposto, mas isso não melhorou a situação de Hus. O concilio lhe atribuía uma série de heresias, as quais ele teria de admitir ser o autor. No entanto, em momento algum, a direção do concilio se dispôs a ouvi-lo sobre quais seriam, de fato, suas doutrinas. Hus, obviamente, recusou-se a retratar-se de doutrinas que não havia propagado e, assim, foi condenado à fogueira.

No dia 6 de julho, ele foi levado até a Catedral de Constança para ouvir um sermão sobre a teimosia dos hereges. Em seguida, teve seus cabelos cortados, uma cruz foi desenhada em sua cabeça, e recebeu uma coroa de papel decorada com desenhos de diabinhos. Mais uma vez, exigiram que Hus se retratasse, mas ele não voltou atrás. Atribui-se a Hus as seguintes palavras:

"Estou preparado para morrer na Verdade do Evangelho que ensinei e escrevi". Hus morreu cantando os Salmos, e sua morte deflagrou uma verdadeira revolução contra a Igreja na Boêmia.

Recentemente, o Papa João Paulo II reconheceu o erro de seus "infalíveis" antecessores. Em dezembro de 1999, o líder católico pediu desculpas - embora demasiadamente tardias - pela morte de Hus. Na ocasião, falando sobre o reformador tcheco em um simpósio internacional promovido pelo Vaticano, João Paulo II afirmou: "Hoje, às vésperas do Grande Jubileu, sinto a necessidade de expressar profundo arrependimento pela morte cruel infligida a John Hus e pelas conseqüentes marcas de conflito e divisão deixadas nas mentes e nos corações do povo boêmio".