8 de setembro de 2013

Robert Cleaver Chapman - APRENDENDO A LIDAR COM O DEFEITO DOS OUTROS


APRENDENDO A LIDAR COM O DEFEITO DOS OUTROS




Robert Cleaver Chapman

 O AMOR

"Deus é amor" ( 1 João 4:16 ). Seus filhos o agradam  apenas na medida em que eles são semelhantes a Ele, e "andar em amor" ( Ef. 5:02 ).

Amor celestial  verdadeiro tem a sua vida e raiz na cruz de Cristo, que tem o único olho, e é a sua própria recompensa; suporta ingratidão, e sobrevive a indiferença e ao  desprezo; compreende rapidamente os erros, mas está sempre pronto a perdoar, e cobre uma multidão de pecados.

O amor de que falamos é manso e humilde, se comporta de forma sensata e edifica; suporta os tolos e convencidos. Este amor santo é o trabalho durável do Espírito de Deus, se  provando  fiel nos dias maus, e, sempre pronto a "alegrar-se com os que se alegram".

Se quisermos amar tanto todos os santos,  para agradar a Deus, devemos ter em mente que os seus nomes estão escritos no céu e no coração de Cristo, caso contrário, vamos amar alguns, porque eles nos são caros, e não gostar de outros porque não nos interessam.

 Se um irmão ferir-nos, devemos primeiro ouvi-lo e ouvi-lo completamente, antes de julgá-lo e condená-lo, porque  em muitos casos, podemos  encontrar em nós mesmos as mesmas culpas  das que julgamos ter em  nosso irmão.

O "caminho mais excelente" é o amor, que tudo sofre, tudo espera, e não se resente do mal. No entanto, se o amor ver uma falha, o amor vai reprovar  a falha que vê. digo vê, pois o amor é exigente, e amor é fiel. Eu não posso, fingir que não vejo, mas com brandura e direção do Espírito exortar o irmão e saber que amanhã eu é que posso estar sendo exortado.( Sl. 141:5 ).

Para nos deliciar-nos com a glória de Deus, devemos honrar aqueles a quem Deus honra, e assim nós não perderemos a graça da comunhão.

Comunhão Cristã

Precisamos uns dos outros, somos dependentes um do outro, não como fontes, mas como canais de bênção.

Quando intercessão mútua toma o lugar de acusação mútua, então as diferenças e dificul -dades de irmãos são superadas (Jó 42:8-10 )


As fraquezas dos nossos irmãos são ocasiões justas para nossa paciência e longanimidade: retenhamos a graça para cada oportunidade.

Os corações dos verdadeiros crentes anseiam por uma comunhão duradoura, uma comunhão no Espírito, com o outro, por causa da comunhão comum com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo.

A humildade é o segredo da comunhão, e o orgulho o motivo de toda  divisão.

Se Cristo não é o vínculo de amizade e de comunhão, e se o seu sangue não for o motivo de uma  vida de amor, a rapidez com que a indiferença vem pode tomar o lugar de ternos afetos de misericórdia, e com facilidade pode fechar os mais abertos corações.


Em João 17 e Efésios 1 , vemos que a Igreja é a visão de Deus em Cristo, o que todos deveriam estar em seus caminhos, e que o contrário seria entristecer o Espírito Santo, que nos foi dada para nos conduzir em toda a verdade, e para glorificar a Cristo em nós. Mas a Igreja não tem sido fiel à sua vocação celestial, ela se esqueceu de sua dignidade, ela perdeu sua força, os cabelos brancos estão aqui e lá em cima, e ela não sabe disso. ( Hos. 07:09 ).

A comunhão dos crentes deve ser como a comunhão do Pai e do Filho: as diferenças de julgamento, portanto, que surgem entre dois membros de Cristo sobre a verdade de Deus deve ser um motivo de humilhação, mas não de discórdia e separação. Deus irá em breve unificar a mente de cada um de seus filhos, ( ser um para que o mundo creia ).1 Coríntios 1 e Efésios 4:5 .

É doce para falar de Jesus com os nossos irmãos, os filhos de Deus, mas quanto mais doce é para falar com o Senhor Jesus!

Se houver apenas uma sombra de desunião entre nós e qualquer irmão ou irmã, não podemos  nos dar descanso até que trazer uma reconciliação, vamos buscar o que em nossos próprios caminhos pode ter causado a quebra, e buscar a comunhão com nosso irmão como a do Pai com Seu Filho amado.

Devemos, além disso, vigiar contra tudo em nós que podem ferir ou entristecer o nosso irmão, para que sejamos sábios para evitar violações da comunhão; praticantes de 1Coríntios 13 ; nossos modos devem ser moldados  pelo amor  não inconveniente, e que não falha. Nem seremos hábeis  para fechar as brechas, se não estarmos  atentos para preveni-los.

O segredo da amizade duradoura é que Cristo é a vida dele. Ele sustenta, regras e santifica o seu amor mútuo  e confiança, que vai crescendo mais e mais, mais seremos  como Cristo, mais permanecermos nEle. Quando Ele vier em Sua glória, que alegria será para lembrar antigos amizades e ver o próprio Jesus em meus irmãos.



Suponha que todos os santos em uma cidade se reuniram em um só lugar, sem nenhum sinal exterior de divisão, ainda, se não fosse o objetivo comum a ser de uma mente com Deus e com Cristo, o Espírito ainda estaria entristecido por divisões de coração e julgamento.

A comunhão dos membros de Cristo com o outro é pelo Espírito Santo, que, habitando neles, dá-lhes a comunhão com o Pai e com o Filho. A unidade de espírito entre o Pai, a Palavra, eo Espírito Santo, é a fonte e o padrão da uma nova mentalidade que deve ser encontrada, e marcar assim, os membros de Cristo.

A menos que tenhamos uma compreensão espiritual desta unidade divina, não podemos, com razão lamentar as divisões do povo de Deus. Ao olhar para este quadro , descobrimos a natureza e a culpa do cisma e divisões.



Lidando com os defeitos dos outros

Se quisermos sabiamente reprovar as obras da carne em nossos irmãos, devemos em primeiro lugar, seguindo  o exemplo do Senhor, lembrarmos de  louvar a graça neles.

Aqueles que estão muito familiarizados com a cruz de Cristo, serão sempre lentos para criticar  e  reprova, e se eles forem reprovar alguém, vão tornar o  assunto solene, sabendo o quanto mal vem da manipulação imprudente de um culpa.

Vamos começar pela busca do erro em nós mesmos, porventura não seríamos mais reprováveis que os outros, pois Jesus falou que muito coam o cisco pequeno mas deixam passar o grande e outros veem uma pequenina poeira no olho do próximo mas não veem uma grande trave em seu próprio olho.

Muito auto julgamento  faz um homem lento para julgar os outros. Em reprovando o pecado nos outros, devemos lembrar os caminhos do Espírito Santo de Deus em relação a nós. Ele vem como o Espírito de Amor, e seja qual for sua repreensão ,  ele ganha o nosso coração e nos constrange, através da misericórdia e perdão que vem do nosso Senhor jesus Cristo.

Perdoar sem repreensão, sem querer o troco da vingança,  é um exercício de alta de graça, é um jeito prático de se  imitar a Cristo.

Se eu for  ferido por outro, deixe que caiam sobre mim as misericórdias do Senhor, pois é  melhor ser a vítima do que o malfeitor!

A carne nos ensina a punir para evitar a repetição de erros, mas a graça nos ensina a nos defender sem armas. O homem que "setenta vezes sete" vezes perdoa, é ele quem melhor sabe como se proteger.

Se alguém me faz um mal, vou mergulhar nas profundezas de Cristo para ser sarado e deixar o meu Senhor resolver a questão. “ A mim pertence a vingança, diz o Senhor.”Quan to a mim, vou suplicar a Deus para movê-lo ao arrependimento.

Nós, como raça humana caída,  participamos na culpa de um membro do corpo de Cristo que está em pecado, foi assim que se assumiu Daniel, no capítulo 9 de seu livro e confessou o pecado dos irmãos que erraram como seus, chorou sobre eles, orou por seu perdão, e procurou, no espírito de amor, a restauração daquele que caiu.

Se a nossa língua for traídos em falar com desdém ou mesmo desprezo de um irmão ausente, vamos rapidamente dizer: Ah! temos ferido a Cristo!

Se em amor eu falar com um irmão de sua culpa, é porque eu odeio o pecado. Se eu falar a culpa dele  com maledicência língua, é auto satisfação que me move isso é obra da carne que gera para a morte.

Se sob a lei, quando o vínculo era só na carne, o israelita não deve sofrer o pecado contra o seu irmão ( Lv. 19:17 ), quanto menos deveria ser sofrido sob o Evangelho, que liga os santos juntos espiritualmente e eternamente !

O Senhor ama a manifestar ternura peculiar para aqueles que foram humilhados, mesmo que possa ter sido por meio de sua própria loucura. "Ide ... dizei aos seus discípulos e a Pedro " ( Marcos 16:7 ).

FALAR MAL DOS OUTROS

Nós não escaparemos da língua dos outros, a menos que primeiro possamos fugir do amor-próprio,  auto aceitação e elogios. Não há espada tão afiada quanto a língua.

Apenas o refrear do coração não basta, temos que  efetivamente refrear os lábios.

O caluniador é aquele que maliciosamente fala mal dos outros, o tagarela faz isso por falta de reflexão do amor.