6 de maio de 2014

Montrose Waite Missionário Afro-Americano

A LONGA VIGÍLIA
Montrose Waite


Montrose Archibold Waite, um nome não reconhecido pela maioria dos leitores, mas ele e sua esposa Anna, estavam entre os 10 missionários negros que serviram com a Aliança Cristã e Missionária na África Ocidental durante a primeira metade deste século.A pioneira foi Miss Carrie Merriweather, que começou o seu serviço em 1913.
Montrose Waite era um jamaicano de nascimento, embora mais tarde ele se tornou um cidadão americano naturalizado. Providencialmente ele conheceu o Dr. AB Simpson, que lhe garantiu o seu sustento no Nyack College, NY onde  ele iria  se preparar para o trabalho missionário. Waite embarcou para Serra Leoa, na África Ocidental, três anos após sua graduação 1920.
Um ano depois de sua chegada em Serra Leoa casou-se com Ella Mae Scott, uma colega missionária. Eles trabalharam juntos até sua morte, no início de 1931. Waite mais tarde casou-se novamente e com sua esposa continuou a servir até a Segunda Guerra Mundial, quando  interrompeu o seu trabalho.
Ao final da guerra, o Sr. E a Sra. Waite tinham uma grande família, e os oficiais da Aliança estavam relutantes em devolvê-los ao exterior. Destemido, o Sr. Waite organizou a  Cruzada Missionária Afro americana  , ergueu o próprio sustento e levou sua família de volta para a África, estabelecendo-se na Libéria, onde começou uma escola.
Em 1977, Robert H. Cowles,  entrevistou Waite, um patriarca de cabelos brancos. Ainda vigoroso, apesar de seus anos avançados, Waite refletiu sobre sua longa associação com a Missionary Alliance. Intrigado com o fato de que a aliança tinha tido um complemento substancial de missionários negros na África Ocidental, Cowles perguntou Waite por que todos o tinham deixado.
Alguns, Waite disse, por razões normais, como a saúde ou  outros interesses. Mas sua esposa lembrou  outros motivos.


Um caso foi o de um membro do conselho ter encontrado duas crianças negras, filhas de missionários em escolas de brancos e de maneira racista, ter inventado coisas sobre as diretoras que eram solteiras.
O outro foi a decisão do Conselho de entregar o trabalho em Serra Leoa, onde foram enviados todos os missionários negros. Isto foi um esforço para eliminar silenciosamente os missionários negros, e também uma maneira de lidar com as tensões da escola e os protestos racistas e o seu  tratamento no exterior.  Seja qual for a motivação, o efeito foi o mesmo: nenhum  missionários afro-americanos foi novamente nomeados pelo Aliança Missionária até 1976.
Na África, o Sr. Waite descobriu uma grande quantidade de admiração por parte da população local por ser  um missionário negro da América do Norte. Conta-se que alguns africanos chegavam a esfregar sua pele para se certificar de que ela não estava simplesmente pintada.
-"Existem outras pessoas negras na América?" O Africano queria saber. "Há muitos deles," Mr. Waite respondia, acrescentando com otimismo ", e eles estão para vir para cá."
Para os africanos e para a Aliança, tem sido uma longa vigília.


-Adaptado de The Alliance Weekly e notas adicionais por H. Robert Cowles