20 de agosto de 2011

Annie Johnson Flint - A poetisa do Senhor





A PAZ:
Pedi paz e imaginei calmaria sem fim, uma tranqüilidade sem pesares, sossego e repouso.
Acima de minha cabeça os céus escuros estavam, e os meus adversários tenazmente me atacavam.
Mas enquanto ventos fortes sopravam e continuava a batalha, senti perfeita paz, pois a voz de Deus ouvi e ela nunca falha Annie Flint

CRISTO, SÓ TEM AS NOSSAS MÃOS:
Cristo só tem nossas mãos para fazer seu trabalho hoje;
Somente tem nossos pés para fazer com que os homens sigam pelo seu caminho; somente dispõe de nossa língua para contar aos homens como morreu e não tem outra ajuda a não ser a nossa para levá-los ao seu coração.
Somos a única Bíblia que o mundo despreocupado lerá. Somos o Evangelho do pecador, o credo do fraudador, a mensagem suprema do Senhor que se expressa em obras e palavras, porém o que poderá ocorrer se o nosso caminho for tortuoso, se a nossa imagem está disforme, se nossas mãos estão ocupadas pelas tarefas que não são as suas, se nossos pés nos conduzem a atração do pecado, se nossas línguas falam coisas indignas de seus lábios?
Como devemos esperar ajudá-lo se não entramos em sua escola?

DEUS NÃO PROMETEU:
Deus não prometeu toda nossa vida, o céu sempre azul, e veredas floridas;
Não prometeu sol sem chuva alguma, alegria sem mágoa, paz sem dor nenhuma.
Ele não prometeu que viveríamos sem lutas e nem que a conquista seria sem labutas, Não nos disse que o fardo era breve, apenas falou que ele era leve.

Deus não prometeu caminhos fáceis de utopia,
Uma jornada tranqüila que dispensasse um guia;
Que nunca haveria montanhas rochosas e escarpadas,
Nunca haveria corredeiras para serem atravessadas.
Mas Deus prometeu descanso da labuta,
Força para o dia, graça para a luta,
Luz para o caminho, ajuda sem igual, compaixão infalível, amor imortal.
Fonte Luciio Vergel blogspot





Nossa poetisa rompeu a barreira dos séculos e continua a brilhar como uma estrela no céu até os dias de hoje. Qual seria o seu segredo? Ela escrevia com o coração e o seu coração estava cheio de Deus.

Perdendo seus amados pais ainda antes de completar seis aninhos, a pequena Annie desde cedo conheceu a dor da solidão e do abandono. Mas o Pai dos órfãos não a abandonou e deu a ela pais adotivos que a cuidaram como filha. Apesar do cuidado, Annie foi acometida por grave problema de artrite, que a levou a cadeira de rodas, ainda dos cedos anos de sua juventude, a pont o de ser internada na famosa clinica Nova Yorkina de Clifton Springs, de onde nunca mais saiu. Mas neste lugar, que recebia visita de um um sem número de pastores e missionários, nossa querida Annie conheceu Jesus e as profundezas de seu coraçào foram visitadas pela doce presença do Senhor e ela não pode mais para de louvar.
Esta artista celestial tirou água da rocha em pleno deserto, tal qual Moisés, em meio a dores, em um ambiente hospitalar, encontrou razões para exaltar o seu Rei e do fundo de sua alma compôs poemas que foram a delícia e o comforto de muitos e ainda hoje suas obras sào provadas pelo fogo e continuam brilhando como ouro.


Ele me deu mais graça, quando me viu sofrendo, Ele me deu mais força, quando me viu trabalhando. Aumentaram as aflições e Ele aumentou a misericórdia; multiplicaram as provas e Ele multiplicou a paz!

Seu amor não tem limites, Sua graça não tem fim; Seu poder não conhece barreiras. E Ele deu tudo isso ao homem que se entregar ao seu Filho Jesus.

Annie Johnson Flint