6 de abril de 2013

MATTHEW HENRY - O grande comentarista das escrituras


Matthew Henry

 
 
 
Matthew Henry foi o segundo filho de Philip Henry, nascido prematuramente em 18 de outubro de 1662, no País de Gales, Philip possuía poucos recursos, mas o suficiente para dar ao seu filho Henry uma boa educação.


Em junho de 1686, começou a pregar para os moradores da região em que seu pai vivia. Por causa de algumas questões de negócios, Henry foi para Chester, em janeiro de 1687. Enquanto permaneceu ali, pregou em casas particulares e solicitaram que ele se tornasse o pastor dos fiéis daquela região. Henry concordou por algum tempo e depois voltou para Gray’s Inn.
Em 9 de maio de 1687, Henry foi reservadamente ordenado ministro presbiteriano em Londres por seis pastores, na casa de Richard Steel.

Começou seu ministério em Chester, no dia 2 de junho de 1687. Em poucos anos, a quantidade de seus ouvintes chegou a 250.
 Achou tempo também para labutar como comentarista da Bíblia, o que deu origem ao seu sistema de pregação expositiva. Estudava num quiosque de dois andares nos fundos de sua residência em Bolland Court, White Friars, Chester.
Henry recusou as propostas para pastorear igrejas em Hackney e Salters’ Hall, em 1699 e 1702 respectivamente; também, não aceitou as de Manchester (1705) e Silver Street e Old Jewry, Londres (1708). Em 1710, foi novamente convidado pela igreja de Hackney, e concordou em se mudar, embora não imediatamente. Em 3 de junho de 1711, estava ele em Londres e era a primeira ceia em que ficara ausente de Chester em 24 anos.



Em novembro de 1704, Henry começou a escrever a Exposição do Antigo e Novo Testamentos, que corresponde a este famoso comentário em seis volumes, o qual não tem sido superado até hoje. O primeiro volume foi publicado em 1708; este e quatro outros volumes trouxeram o seu comentário até o fim dos Evangelhos, publicados numa edição uniforme em 1710. Antes de sua morte, ele concluiu o comentário de Atos para o sexto volume, não publicado. Após sua morte, trinta pastores não-conformistas prepararam os comentários das Epístolas e de Apocalipse. Os nomes desses não-conformistas foram citados por John Evans (1767-1827) na Protestant Dissenters’ Magazine, em 1797, p. 472, extraídos de um memorando de Isaac Watts. A edição completa de 1811, com quatro tomos, seis volumes, editados por George Burder e John Hughes, tem assuntos adicionais extraídos de manuscritos de Henry.



O comentário de Henry é prático e devocional, mais que uma obra de crítica textual, mantendo um correto bom senso, apresentando um pensamento incomum, alto tom moral, simplicidade e aplicação prática, combinados com uma sólida fluência do estilo inglês. Seus comentários são fundamentalmente exegéticos, tratando o texto bíblico como ele está apresentado. O primeiro objetivo de Henry era a explicação, e não a tradução ou a pesquisa textual. Tudo isto fez de seu comentário uma obra monumental. Até hoje, é consultado por estudantes e pregadores, e é citado em centenas de outros comentários bíblicos.