9 de abril de 2013

Herbert Lockyer



Herbert nasceu em 1886 em uma pequena cidade perto de Londres.   Embora tenha sido criado por pais não-cristãos, ele experimentou uma conversão espiritual como um jovem adulto, como resultado de conhecer sua futura esposa, Lily Flory.Frequentou o Instituto Bíblico de Glasgow, e durante a Segunda Guerra Mundial foi um ministro em Perth, na Escócia.
Ele se tornou um pastor na Escócia e na Inglaterra, e um líder no Movimento de Vida Keswick Superior. Em 1936, depois que ele falou no 50 º aniversário da fundação do Instituto Bíblico Moody, Ele se aventurou em uma extensa campanha bíblica nos Estados Unidos.



Ele escreveu o livro Todos os Homens da Bíblia. Este foi o início da série Todo estudo bíblico agora famoso Elogiada por estudiosos da Bíblia, a série é composta por 21 volumes, incluindo todos os milagres da Bíblia, todas as promessas da Bíblia, e todas as mulheres da Bíblia
Os livros inspiradores tornaram-se best-sellers internacionais  
 Durante os últimos sete anos de sua vida, o Dr. Lockyer viveu em Colorado Springs, Colorado, com seu filho Rev. Herbert Lockyer, Jr., um pastor presbiteriano que se tornou seu editor.
Dr. Lockyer faleceu em 3 de dezembro de 1984






   http://www.4shared.com/office/WGgSzWed/Todas_as_Parbolas_da_Bblia_-_H.htm
LEIA O LIVRO DE LOCKYER A PARTIR DESTE SITE

LOCKYER INTERPRETANDO A PARÁBOLA DA CASA NA ROCHA

Para LockyeMtr, Cristo, ele próprio, é a Rocha sobre a qual construímos. "Sobre esta pedra", i.e., sobre a sua divindade que Pedro con­fessara, "edificarei a minha igreja" ( Mt7.24). Esse salmo tem sido chamado a Canção da casa so­bre a rocha, que não temia quando vinham as tormentas. Por toda a parábola que estamos analisando, Cristo ensina a importância do fa­zer tanto quanto do ouvir. Em sua descrição dos dois construtores, dei­xou claro que foram julgados, não pelo cuidado que tiveram ao cons­truir suas casas, mas pelo funda­mento sobre o qual elas estavam. Ele ilustrou de forma notável a impor­tância do fundamento ao edificarmos a vida. Se desejarmos construir man­sões mais imponentes para a alma, os fundamentos devem ser cuidado­samente escolhidos.

A interpretação da parábola, sem dúvida, sugerida pela arquitetura que estava ao redor deles, está rela­cionada com "o material em geral de uma vida cristã externa", uma vida que se apoia e está arraigada em tudo o que o Senhor é: em si mesmo. É somente pela nossa união com Cristo, a Rocha, que podemos con­seguir a firmeza da parede, sem a qual até mesmo os nossos objetivos mais firmes serão como areia move­diça. Temos segurança eterna, se for­mos edificados sobre aquela funda­ção a respeito da qual Deus disse: "Vede, assentei em Sião uma pedra, uma pedra já provada, pedra preci­osa de esquina, que está bem firme e fundada" (Is28.16). Lucas refere-se ao construtor sábio, dizendo que ele "cavou, e abriu bem fundo, e lan­çou os alicerces sobre a rocha" (Lc6.48). O caro Benjamin Keach diz o seguinte sobre o cavar fundo: "A alma do crente cava fundo, pene­trando na natureza de Deus, para descobrir qual o tipo de justiça em que achará alívio e se harmonizará com a justiça e a infinita santidade de Deus".
Segundo Herbert Lockyer, a vida não é mais que "construir o caráter, os hábitos, as lembranças, as expectativas, tanto de fortalezas como de fraquezas; ao construirmos a casa da vida, adicionamos uma coi­sa sobre a outra, como se fosse pe­dra sobre pedra. Nosso desejo é que a construamos de forma segura". Há boas pessoas, que não são do Senhor, que constroem bem e acham que suas casas estão edificadas bem e sabiamente sobre o dinheiro, os ami­gos, a saúde, o sucesso nos negócios —todas essas coisas são louváveis em si mesmas, mas são desastrosas, se não forem alicerçadas sobre a Rocha. Mas há outros que constro­em de maneira diferente, "aumen­tando diariamente o seu poder em servir, o seu conhecimento de Deus, as suas vitórias sobre os seus defei­tos, as suas alegrias e esperanças, até que suas vidas se tornem um palácio digno para Deus habitar".[